jan 132013
 

Perspectiva histórica

Veleiros Historia da energia eolica [dropcap style="1" size="3"]A[/dropcap] energia eólica tem sido aproveitada ao longo da história de diversas formas e com diversos fins, desde a propulsão à produção de energia.


Velas para navegação marítima

A primeira aplicação da energia eólica foi feita pelos Egípcios, e consistia na utilização de velas na navegação marítima. No século XV esta aplicação da energia eólica seria fundamental para os Portugueses nas suas viagens de exploração.

[divider top="1"]

Moinhos de vento

Moinho de vento antigos movidos a energia eolicaOutra das formas centenárias utilizada para aproveitar a energia do vento são os moinhos. Os moinhos de vento apareceram na Pérsia e estenderam-se para a Europa no século XII.

Energia eolica para moinhos de vento de extracçãoOs moinhos de vento eram utilizados na moagem de cereais e apesar de serem construídos de forma bastante arcaica (a estrutura das pás e os  mecanismos de engrenagens eram construídos em madeira) mantiveram-se em funcionamento até há poucas dezenas de anos. Hoje em dia ainda é possível encontrar alguns em condições de funcionamento.

Uma aplicação mais recente (século XIX) que teve grande implantação foram os moinhos de vento para bombagem de água. A água era impulsionada por uma bomba volumétrica accionada através de um mecanismo de manivela ou veio excêntrico.

[divider top="1"]

 Turbinas Eólicas

Turbina eolica construída em 1888Na segunda metade do século XIX início do século XX começaram a ser desenvolvidas as primeiras turbinas eólicas para produção de energia eléctrica.

As primeiras turbinas eólicas eram máquinas com dimensões consideráveis, no entanto, devido à baixa velocidade de rotação a que trabalhavam, tinham baixa eficiência de produção de energia.

Verificou-se posteriormente que o caminho a seguir para aumentar a eficiência de produção de energia era construir turbinas com maior velocidade de rotação e menor número de pás.

Turbinas eolicas para testes ano 1887Devido ao crescente interesse nesta forma de aproveitamento da energia eólica foram produzidas muitas  turbinas de testes das mais diversas configurações, no entanto a partir de 1980 quase todos os fabricantes começaram a optar pelo  mesmo conceito de construção, eixo horizontal com um rotor de três pás virado contra o vento.

A potência das turbinas eólicas tem aumentado consideravelmente na ultima década, actualmente a potência de uma turbina eólica standard ronda os 600 a 750 kW, enquanto que em 1990 o standard era de 300kW. Esta evolução resulta do aumento do tamanho das turbinas e do aperfeiçoamento da tecnologia.

turbina eolica actualO aumento do tamanho das turbinas é vantajoso tanto do ponto vista económico como do ponto de vista ambiental. Em regra geral, utilizando turbinas com maior potência unitária podemos produzir mais energia a partir de um menor número de turbinas instaladas. A redução do número de rotores em movimento diminui também o impacto visual.

[divider top="1"]

O vento

Origem

Imagem de um satélite da NASA onde as zonas quentes do oceano estão assinaladas a vermelho e a amarelo[dropcap style="1" size="3"]C[/dropcap]omo quase todas as energias renováveis (excepto a energia geotérmica e a energia maremotriz) também a energia eólica é originada pelo sol.

Como sabemos o aquecimento da superfície terrestre por parte do sol não é homogéneo. As zonas próximas do equador recebem mais energia que outras mais afastadas.

O aquecimento irregular da superfície terrestre provoca o movimento de massas de ar entre o equador e os pólos.

As massas de ar aquecem no equador tornam-se mais leves, sobem na atmosfera e quando atingem as altas camadas da troposfera dirigem-se para os pólos.

Caso fosse este o único factor a influenciar os ventos, então teríamos apenas ventos de Norte para Sul no hemisfério Norte e de Sul para Norte no hemisfério Sul.

Os ventos globais (ventos 1000m acima do solo) também são influenciados pela rotação da terra e por zonas de altas pressões o que faz com que para diferentes latitudes tenhamos diferentes direcções predominantes de vento.

[divider top="1"]

Direcções predominantes do vento nas altas camadas da atmosfera de acordo com a latitude

[table style="1"]

Hemisfério

N N N S S S
Latitude 90-60º 60-30º 30-0º 30-0º 60-30º 90-60º
Direcção NE SW NE SE NW SE

origem do vento

[/table]

Quando se estuda a implantação de um parque eólico é importante conhecer a direcção predominante do vento no local em estudo. Conhecendo a direcção predominante do vento, podemos escolher o local de implantação das várias turbinas de modo a evitar que estas sejam perturbadas por obstáculos nessa direcção.

A tabela anterior refere-se aos ventos globais (ventos 1000m acima do solo onde não existe qualquer influencia de factores locais) , no entanto os ventos perto do solo podem não respeitar exactamente a tabela.

[divider top="1"]

Factores que influenciam o vento

Junto ao solo (até 100m de altura) o vento é influenciado por inúmeros factores como sejam:

Vento influenciado por obstáculosObstáculos

A existência de obstáculos provoca uma diminuição da velocidade do vento e promove a criação de zonas de grande turbulência o que resulta em significantes perdas de energia.

Porosidade do solo

Variação da velocidade do vento em altura numa zona de classe 2

Velocidade do vento/altura

Devido à porosidade do solo existem forças de atrito que tendem a diminuir a velocidade do vento. Como podemos verificar no gráfico da direita a diminuição de velocidade do vento devido ao atrito é tanto maior quanto menor for a distância ao solo.

A variação da velocidade do vento com a altura influencia  o projecto das turbinas.  O projecto das turbinas eólicas tem de ter em conta que a força aplicada pelo vento na parte superior do rotor é maior do que a aplicada na parte inferior.

Como seria de esperar quanto mais porosa for a superfície maior será a sua influência na velocidade do vento, a tabela seguinte mostra a classe de rugosidade de vários tipos de superfícies:

Velocidade do vento em função rugosidade do solo

Velocidade do vento em função rugosidade do solo

Existem fórmulas empíricas que, com base numa velocidade medida a uma altura conhecida e na rugosidade do terreno, nos permitem estimar a velocidade a diferentes alturas.

energia solar factores que influenciam o vento

[divider top="1"]

Efeitos locais

efeitos locaisEmbora os ventos globais sejam importantes, a direcção e intensidade do vento numa determinada região é muitas vezes influenciada pelas condições climáticas dessa zona.

[highlight bg="#FFFF00" color="#000000"]Os efeitos mais comuns são as brisas marinhas e os ventos nas montanhas.[/highlight]

As brisas marinhas são originadas pelo facto de, durante o dia, as zonas costeiras aquecerem mais rapidamente que o mar. O ar sobre a zona costeira aquece, torna-se mais leve, e ao subir na atmosfera arrasta ar fresco do mar para terra criando assim a referida brisa marinha. Durante a noite o vento muda de direcção e a brisa passa a dirigir-se em direcção ao mar.

ventos nas montanhas efeitos locaisOs ventos nas montanhas têm origem nas vertentes viradas a sul (Hemisfério Norte).  Quando as encostas e o ar que as rodeia aquecem por acção do sol dá-se uma diminuição na densidade do ar.

Este ar menos denso sobe ao longo da encosta em direcção ao topo da montanha criando assim uma corrente de ar junto à superfície da encosta.

Durante a noite o vento tem a direcção inversa, passa a descer a montanha. Nalgumas regiões montanhosas, como os Alpes ou os Andes, este efeito consegue por vezes produzir ventos bastante fortes.

[divider top="1"]

Orografia (contornos do terreno)

Orografia (contornos do terreno)Os contornos do terreno influenciam bastante as condições de vento, tanto em termos de velocidade como de direcção. Essa influência pode por vezes ser bastante benéfica devido à criação de efeitos aceleradores.

Um dos efeitos mais conhecidos é o efeito de túnel. Este efeito acontece quando o vento é obrigado a passar através de estrangulamentos (ex: vale no meio de duas montanhas).

Devido à diminuição da área de passagem provocada pelo estrangulamento o vento aumenta consideravelmente de velocidade, logo se instalarmos uma turbina eólica neste local teremos muito mais energia disponível.

Para que se obtenha um bom efeito de túnel é necessário que os obstáculos que criam esse efeito não sejam muito irregulares, caso contrário iremos ter muita turbulência,  o que inviabiliza a instalação das turbinas.

O ar ao aproximar-se da colina é comprimido

Outro dos efeitos aceleradores que pode ser criado devido aos contornos do terreno é o efeito de colina.

O ar ao aproximar-se da colina é comprimido, vai aumentando de velocidade até passar o topo da colina e volta a expandir-se  a jusante.

[divider top="1"]

Potencial Eólico

[dropcap style="1" size="3"]O[/dropcap]s conversores eólicos aproveitam a energia cinética do vento.

Sabemos que a energia cinética é dada por:formula do potencial eólico

Sendo o caudal mássico de ar através do conversor eólico dado por:

caudal mássico

temos  que a potência disponível será:

potência disponível

em que:

– Massa volúmica do ar (kg/m3)

A – área varrida pelo rotor da turbina(m2).

V – Velocidade do vento (m/s).

Com base na expressão anterior podemos facilmente concluir que a potência disponível irá variar com o cubo da velocidade do vento.

O gráfico da direita relaciona a velocidade do vento com a potência disponível por m2 de área varrida pelo rotor de uma turbina eólica. Por este gráfico podemos facilmente constatar que, ao duplicarmos a velocidade do vento de 8m/s para 16m/s, a potência disponível passa de 312,5 W/m2 para 2 500 W/m2.

velocidade do vento / potência disponível

[divider top="1"]

Potência útil

[dropcap style="1" size="3"]P[/dropcap]s turbinas eólicas não aproveitam toda a energia disponível no vento porque isso é impossível. Para que isso se verificasse, a velocidade do vento à saída do conversor eólico teria que ser igual a zero; isto significava que o vento(uma determinada massa de ar) entrava na turbina mas não saía (situação impossível)

Podemos definir um factor, normalmente designado por coeficiente de potência, que relaciona a potência colectada (potência mecânica útil) com a potência disponível.

potencia útil / potencia disponível potência mecânica útil

Em 1919 Albert Betz’s (Físico Alemão) provou que o rendimento máximo que se poderia obter numa turbina eólica seria igual a 59,3 %, isto é:

Cpmax = 0.593

Este físico verificou também que o rendimento máximo é obtido quando a velocidade do vento à saída do conversor eólico é igual a 1/3 da velocidade à entrada, isto é :

V2 =1/3 V1

Considerando:

coeficiente de potência

Cw – factor de conversão de energia.

deflexão que a turbina provoca no escoamentoNa figura é possível verificar a deflexão que a turbina provoca no escoamento, esta deflexão deve-se ao facto da velocidade a jusante da turbina ser inferior à velocidade a montante.

Como a massa de ar à saída da turbina é igual ao caudal à entrada, então uma redução na velocidade de escoamento após a turbina implica um aumento da área ocupada pelo escoamento.

Com base nas expressões anteriores podemos também calcular o binário e a força tangencial que é aplicada nas pás da turbina.

tangencial que é aplicada nas pás da turbina

e

tangencial que é aplicada nas pás da turbina

logo:

força tangencial que é aplicada nas pás da turbina

Sendo:

Ft – Força tangencial aplicada em cada pá do rotor.[N]

T – Binário ao veio do rotor( veio de baixa velocidade).[N.m]

r – Raio do rotor. [m]

ω – Velocidade de rotação. [rad/s]

n – Número de pás do rotor.

N – Velocidade de rotação do rotor. [rot/s] [divider top="1"]

Turbinas Eólicas (Aerogeradores)

[dropcap style="1" size="3"]A[/dropcap]s turbinas eólicas classificam-se basicamente em dois tipos, eixo vertical e eixo horizontal.

Turbina de eixo horizontal

Turbina de eixo horizontal

Turbina de eixo vertical

Turbina de eixo vertical

[divider top="1"]

Vantagens e desvantagens das turbinas de eixo vertical

 Vantagens

[list style="check"]
  • O gerador e a caixa de velocidades podem ser colocados no solo e a máquina não necessita de torre
  • Não necessita de mecanismo para orientar o rotor contra o vento.
[/list]

Desvantagens

[list style="cross"]
  • Baixa velocidade do vento junto ao solo
  • Baixa eficiência
  • Necessita de estar presa por cabos, não sendo assim viável a sua instalação em zonas de cultivo.
  • Uma avaria no rolamento principal implica a completa desmontagem da máquina.
[/list]

Actualmente quase todas as turbinas eólicas para produção de energia eléctrica são turbinas de eixo horizontal com três pás, no entanto também existem turbinas  de apenas duas pás.

As turbinas eólicas utilizadas para produção de energia eléctrica são normalmente designadas como aerogeradores.

[divider top="1"]

Constituição de uma turbina eólica – principais componentes

[dropcap style="1" size="3"]Q[/dropcap]uase todas as eólicas existentes actualmente no mercado têm uma constituição básica idêntica. As maiores diferenças têm a ver com as especificações técnicas dos seus componentes.

Para este exemplo foi utilizado o esquema de um aerogerador da marca NORDEX modelo N-90.


Principais características:     

Potência eléctrica nominal – 2 300 kW

Diâmetro do rotor – 90 m

Altura da torre – 80 a 100 m.

Constituição de uma turbina eólica principais componentes

1- Pás do rotor – As pás do rotor são normalmente construídas em fibra de vidro reforçada a resinas(epoxi) ou outros materiais plásticos. Esta combinação de materiais apresenta um bom compromisso entre rigidez, peso e custo de produção.

2- Cubo do rotor – Peça que suporta as pás da turbina.

3- Estrutura de suporte – É esta estrutura que suporta os principais componentes do aerogerador. (gerador, caixa de velocidades, armários do sistema de controlo,etc.)

4 – Rolamento do eixo de baixa velocidade. (baixa velocidade ≈ 15 a 30 rpm)

5 – Eixo de baixa velocidade. (eixo directamente ligado ao cubo do rotor)

6 – Caixa de velocidades – Faz a multiplicação de velocidade para o eixo de alta velocidade. (alta velocidade  ≈ 1500 rpm, caso se trate de um gerador  com dois pares de pólos que é o mais comum)

7 – Disco de travão – Serve para assegurar a imobilização do rotor quando o vento sopra com velocidades fora da gama de funcionamento turbina. (gama de funcionamento normal  – 3 a 5 m/s (velocidade normal de entrada em funcionamento)  / 25 m/s velocidade de paragem)

8 – Acoplamento do gerador  – acoplamento flexível.

9 – Gerador eléctrico – Transforma a potência mecânica colectada pela turbina em potência eléctrica.

10 – Permutador de calor do  circuito de arrefecimento da caixa de velocidades.

11 – Ventiladores para arrefecimento do gerador eléctrico.

12 – Sistema de medição das condições de vento – Este sistema mede as condições de vento (velocidade e direcção) e envia essa informação para o sistema de controlo da turbina. O sistema é composto por anemómetros e cata-ventos.

13 – Sistema de controlo do aerogerador – Este sistema monitoriza e controla o funcionamento da turbina de modo a assegurar o seu bom funcionamento.

14 – Sistema hidráulico – Controla a pressão dos sistema de travagem do rotor e do mecanismo de rotação da turbina. Nas turbinas de pás fixas(em que o controlo de potência é feito por perda aerodinâmica) o sistema hidráulico assegura também o controlo dos travões aerodinâmicos(Pequena secção móvel na ponta das pás – a  travagem aerodinâmica efectua-se rodando a ponta da pás 90º).

15 – Mecanismo de rotação da turbina – Este sistema é constituído por motores eléctricos que accionam as engrenagem para que a turbina esteja sempre virada contra o vento. Os motores eléctricos são comandados pelo sistema de comando de acordo com as informações que este recebe do sistema de medição do vento.

16 – Rolamento do mecanismo de rotação.

17 – Cabina do aerogerador – É dentro desta cabina que estão instalados os principais equipamentos do aerogerador.

18 – As torres podem ser tubulares, como a apresentada na figura, ou podem apresentar uma construção tipo treliça. As torres tipo treliça são mais baratas e necessitam de fundações mais ligeiras; no entanto, nos últimos anos, este tipo de torres tem vindo a perder mercado principalmente devido a questões relacionadas com o impacto visual.

19 – Sistema de ajuste do ângulo das pás (apenas existente em turbinas em que a regulação de potência é feita por variação do ângulo das pás) – Este sistema destina-se a ajustar o ângulo das pás de modo a que estas possam aproveitar o máximo de energia possível para diferentes velocidades de vento. Este sistema assegura também a travagem aerodinâmica quando é necessário parar a turbina. A travagem é conseguida através da rotação das pás da turbina de modo a que fiquem alinhadas com o vento.

[divider top="1"]

Considerações acerca da dimensão das turbinas eólicas

Dimensão das Turbinas Eólicas [dropcap style="1" size="3"]N[/dropcap]a figura da direita podemos observar a relação entre o diâmetro típico do rotor e a potência nominal da turbina.

Numa primeira análise, e de acordo  com a figura, poderíamos pensar que quanto maior for a turbina a instalar maior será a energia produzida e, consequentemente, maior será a rentabilidade do investimento. A análise efectuada anteriormente nem sempre é verdade, pois existem diversos factores que condicionam a escolha do tamanho das turbinas.

As condições de vento no local onde se instala a turbina são bastante importantes; quanto maior for a potência do gerador a instalar, maior será a potência que teremos de ter disponível para fazer rodar a turbina.  Se pretendermos instalar uma turbina eólica num local com baixo potencial eólico, devemos escolher uma turbina com um gerador de pequena potência e um rotor grande. Ao fazermos esta escolha, estaremos a maximizar a potência produzida anualmente, dado que a turbina irá funcionar mais horas ao longo do ano.

[divider top="1"]

Razões para optar por turbinas maiores

[list style="check"]
  • Como em muitas outras coisas, nas turbinas eólicas também existe economia de escala, isto é, máquinas grandes conseguem normalmente gerar energia a mais baixo preço. Isto acontece porque o custo das fundações, das estradas, da ligação à rede eléctrica, mais o número de componentes da turbina eólica são praticamente independentes do tamanho da mesma.
  • Grandes turbinas adaptam-se bastante bem a parques eólicos “off-shore”(parques construídos no mar). O custo das fundações não cresce proporcionalmente com o tamanho da máquina e o custo de manutenção é bastante independente do tamanho.
  • Em locais onde seja difícil encontrar espaço para instalar mais do que uma turbina, instalando uma turbina grande com uma torre alta podemos usar o recurso eólico existente mais eficientemente.
[/list]

[divider top="1"]

Razões para optar por turbinas menores

[list style="check"]
  • A rede eléctrica local pode ser demasiado fraca para suportar a produção de uma turbina grande. Isto pode acontecer em locais de fraca densidade populacional, que têm pouco consumo de energia eléctrica, e estão por isso distantes da rede eléctrica principal.
  • Um parque eólico constituído por várias turbinas pequenas apresenta menor flutuação de potência, as flutuações ocorrem arbitrariamente e têm assim tendência a anular-se mutuamente. Novamente turbinas mais pequenas podem ser vantajosas em linhas eléctricas fracas.
  • O custo de usar grandes veículos especiais e de construir estradas suficientemente consistentes que possibilitem o transporte de todos os componentes da turbina pode tornar as pequenas turbinas mais competitivas nalgumas zonas.
  • Aspectos estéticos podem por vezes indicar a instalação de turbinas menores. As turbinas grandes têm no entanto menor velocidade de rotação, logo atraem menos a  atenção do que um grande número de pequenas turbinas a rodar rapidamente.

[divider top="1"]

Desenvolvimento Actual

[dropcap style="1" size="3"]A[/dropcap] energia eólica é hoje em dia vista como uma das mais promissoras fontes de energia renovável, caracterizada por uma tecnologia já bastante madura.

Os parques eólicos são cada vez mais um elemento habitual na paisagem de muitos países europeus como a Alemanha, Dinamarca, Holanda e, mais recentemente, a Espanha ou o Reino Unido.

Na Europa estima-se que 25% do consumo de energia eléctrica poderia ser satisfeito a partir da energia eólica.

Os países Europeus com maior potencial eólico estimado são o Reino Unido, a Espanha e a França. Curiosamente, nem a Dinamarca nem a Holanda, países pioneiros na introdução da energia eólica na Europa, nem mesmo a Alemanha, o país com maior potência eólica instalada do mundo, são particularmente favorecidos do ponto de vista eólico. Portugal também não apresenta condições extraordinárias de vento.

turbinas eólicas no marUma das áreas onde se têm registado maiores avanços é a instalação de turbinas no mar. A tendência para o aumento da potência unitária das turbinas, em conjunto com o desenvolvimento da tecnologia das fundações para turbinas marítimas, tem contribuído para aumentar a competitividade desta forma de aproveitamento da energia eólica.

O Governo Dinamarquês prevê instalar cerca de 4 000 MW em parques eólicos marítimos antes de 2030(se adicionarmos estes 4 000 MW aos cerca de 1 500 MW  instalados em terra então podemos dizer que cerca de 50% do consumo de energia eléctrica na Dinamarca será assegurado através da energia eólica).

A previsão do governo dinamarquês é sustentada num relatório elaborado pelas companhias eléctricas que aponta para um potencial eólico estimado de 8 000 MW, tendo em conta as restrições habituais(paisagem protegida, rotas marítimas, zonas militares). As zonas seleccionadas distam entre os 7 e os 40 km da costa e apresentam profundidades de 5 a 11 m. O desenvolvimento na tecnologia das fundações, parece indicar que em breve poderá tornar-se rentável instalar turbinas em águas com profundidades até aos 15 m; caso isto se confirme, o potencial eólico da costa Dinamarquesa poderá ascender aos 16 000 MW .

A energia eólica em Portugal tem tido pouca implantação dado que ao longo dos anos a aposta nas energias renováveis tem dado mais atenção à energia hídrica.

energia eólica em Portugal energia eólica em Portugal

Nos últimos anos, e em consequência de algumas alterações em termos de legislação aplicada ao sector energético, tem-se assistido à criação de alguns parques eólicos. Apesar da recente criação de vários parques eólicos, a potência eólica instalada actualmente no nosso país é ainda pouco significativa.

De acordo com o programa E4 apresentado pelo ministério da economia em Setembro de 2001 prevê-se que a potência eólica instalada no nosso país atinja os 3000 MW no ano 2010.

A energia eólica em Portugal

[divider top="1"]

Impactos Ambientais da Energia Eólica

Positivos

O desenvolvimento da energia eólica pode ser atractivo ao nível nacional pelos seguintes motivos:

[list style="check"]

  • Contribuição positiva para o objectivo nacional em termos de limitação das emissões de gases com efeito de estufa e outras emissões atmosféricas ( CO2, NOx, SO2, partículas…);
  • Nula ou reduzida poluição atmosférica, da água e do solo;
  • Contribuição para o objectivo de redução da dependência energética;
  • Contribuição para os objectivos de política energética e de desenvolvimento sustentável.

[/list]

Negativos

O desenvolvimento dum projecto eólico é susceptível de gerar alguns efeitos ambientais negativos que devem ser minimizados ou eliminados:

[list style="check"]

  • A localização dum parque eólico deve respeitar uma distância mínima em relação a zonas habitadas para que não se verifiquem perturbações provocadas pelo ruído emitido pelos aerogeradores, bem como evitar a escolha de sítios com valor patrimonial (arqueológico, histórico, ecológico, etc.);
  • O impacte visual de um parque eólico, embora seja subjectivo, exige certos cuidados, nomeadamente quando implantado em zonas mais sensíveis do ponto de vista da qualidade visual da paisagem;
  • O movimento de rotação das pás dos aerogeradores pode ser responsável pela morte de aves. Este efeito pode ser minimizado com uma correcta localização dos parques eólicos evitando, nomeadamente, as rotas migratórias; 
  • As fases de construção das vias de acesso e de implantação do parque eólico podem gerar alguns impactes na fauna e flora locais.
[/list]
jan 132013
 

Descobrimos que as pessoas têm várias questões acerca dos geradores de energia adequados para as suas casas, incluindo questões sobre que aparelhos podem ligar ao gerador, que tamanho devem comprar e como o podem ligar ao fornecimento de energia da casa. Assim decidimos fornecer as respostas para as questões mais comuns sobre geradores.

Devido a situações de diversa ordem, as pessoas receiam as interrupções de energia. Foi o que concluímos quando fomos a Houston, no Texas, para a última semana do primeiro Evento de Segurança Doméstica, um evento organizado pela Popular Mechanics e patrocinado pela RAM Trucks, pela Stihl e pela Nothern Tools + Equipment.

[frame align="center"]

gerador de energia para toda a csas

[/frame]

Nas apresentações, por exemplo, encontrámos pessoas na multidão que diziam já ter ficado sem energia durante períodos de três semanas, após o Furacão Ike, em 2008, entre outros desastres. Contudo, não interessa onde vive, um pequeno planeamento contra desastres pode favorecer bastante a segurança da sua família, especialmente quando se fala em gerar a sua própria electricidade. Aqui ficam as dez questões básicas, sobre geradores de energia, que as pessoas colocaram, e respectivas respostas.

[divider top="1"]

Dimensão dos geradores de energia

[dropcap style="2" size="3"]N[/dropcap]ão estamos a falar de tamanho físico, mas sim da capacidade eléctrica do gerador de energia. Esta capacidade depende da soma da carga eléctrica dos aparelhos eléctricos pretende ter a funcionar simultaneamente, medida em watts. Em primeiro lugar, some todas as cargas eléctricas que terá a funcionar simultaneamente.

Depois, por precaução, descubra qual o aparelho que requer mais electricidade para por o motor a funcionar e adicione essa carga ao total. A razão para isto é que itens maiores como o ar condicionado tendem a consumir bastante quando são ligados, duas ou três vezes mais do que quando já estão a funcionar.

Você quer-se assegurar de que o seu gerador de energia consegue suportar essa necessidade extra de energia; assim, os itens maiores não irão sobrecarregar o sistema quando ligados.

[highlight bg="#dfff99" color="#000000"]Cada aparelho tem dois tipos de voltagem:[/highlight]Cada aparelho tem dois tipos de voltagem: a voltagem de funcionamento e a voltagem de sobretensão.

Os geradores de energia são classificados segundo a voltagem de sobretensão pois devem apresentar alguma capacidade em excesso para o caso de necessitar de mais energia do que a calculada.

Ao comprar um gerador de energia, escolha o tamanho com base na voltagem de funcionamento e a voltagem de sobretensão deverá automaticamente estar já assegurada pelo equipamento. Se tem receio de necessitar de uma maior voltagem de sobretensão, compre um gerador de maior capacidade.

[divider top="1"]

Diferença entre um gerador permanente e de recurso

O de stand-by é um aparelho que está instalado de forma permanente, como por exemplo um compressor para o sistema central de ar-condicionado. O seu motor funciona através de gás natural ou propano. O de recurso é um pequeno aparelho de motor a gás que irá por a funcionar fora da casa ligando-o ao interruptor de transferência. Também pode ser ligado a cargas eléctricas através de cabos de extensão específicos.

Cargas a ligar ao gerador

Pat Porzio, da PM, tem como profissão instalar geradores. Ele é engenheiro mecânico, canalizador e electricista e gestor de AVR (Aquecimento, Ventilação e Refrigeração) para a Russo Brothers Plumbing em Hanover Leste, N.J. Estes são os circuitos com que normalmente trabalha:

  • Casas de banho de primeiro andar
  • Alguns circuitos de luzes
  • Refrigerador
  • Fornalha
  • Portões de garagem
  • Bombas de Extracção
  • Outras cargas a considerar serão bombas de depósitos, bombas de ejecção de esgotos ou circuitos de ar-condicionado

Cálculo da voltagem

Os fabricantes e retalhistas destes equipamentos fornecem folhas de cálculo ou calculadoras de voltagem nos seus websites para o ajudar nos cálculos. A Honda é um bom exemplo.

[divider top="1"]

Onde o fixar

Siga as instruções do manual. Se o manual aconselhar prender o gerador ao chão, será relativamente fácil fazê-lo. Uma forma simples é passar um cabo de calibre 12 desde o terminal térreo por uma haste de cobre que tenha preso ao terreno, perto do gerador. (Irá ver um símbolo para o ajudar a identificar a localização do terminal.)

Instalação do gerador de energia

A forma mais segura de montar é liga-lo a um equipamento eléctrico chamado interruptor de transferência. Esta consiste num interruptor com um subpainel eléctrico. É ligado directamente ao painel de serviço da casa, e ao gerador.

instalação de um gerador

Quando acciona o interruptor, ele faz duas coisas. Em primeiro lugar, desliga a casa dos cabos exteriores. Isto previne que a energia vá para o exterior, o que poderia magoar ou matar alguém. Em segundo lugar, envia energia apenas para os circuitos da casa que designou previamente. Desta forma, o equipamento não ficará sobrecarregado.

A menos que seja um amador com experiência (tendo formação eléctrica e mecânica mas sem ter licença de electricista), será melhor pedir a um electricista com licença para lhe instalar o interruptor de transferência.

[divider top="1"]

Medidas de segurança para geradores de energia

Não ligar o gerador a uma tomada de parede

Não. Isto é conhecido como contra fluxo, e é extremamente perigoso por várias razões. Por exemplo, se alguém se esquecer de accionar o travão do circuito principal para isolar a casa das ligações externas, o aparelho poderá enviar energia eléctrica para fora da casa, para os cabos externos. Quando isto acontece, a electricidade que você está a gerar pode magoar ou matar o funcionário que estiver a tentar reparar os cabos danificados.

Onde não colocar

Nunca coloque o equipamento dentro da casa, da garagem, debaixo de um telhado, num alpendre, dentro de um alpendre fechado ou perto de uma janela aberta. Mesmo com a porta da garagem aberta, o monóxido de carbono (CO) no exaustor pode fazer com que alguém adoeça ou, no pior caso, morra.

Outras medidas

Tenha detectores de fumo e de CO instalados e a funcionar dentro de casa.

Mantenha-o a pelo menos 10 pés de distância da casa para minimizar os riscos do CO e também de a cobertura de vinil se derreter.

Nunca adicione combustível enquanto está quente. Lembre-se “deixe arrefecer antes de abastecer”.

[divider top="1"]

O ruído

ruidoOs geradores de energia mais avançados em termos de mecânica fazem um melhor trabalho do que os mais antigos ao ajustar o rpm do motor à descarga eléctrica. Isto reduz a velocidade de funcionamento, tornando-os menos barulhentos e conservando combustível.

Alguns cientistas caseiros andam a experimentar colocar os silenciadores das motas e dos ATVs nos seus geradores. Isto pode ser feito se tiver as competências necessárias para trabalhar com metal. Mas tenha cuidado: na maioria dos casos ao fazê-lo está a violar a garantia.

Terá de fazer também a sua parte: a forma mais simples de reduzir o barulho é reduzir a carga eléctrica imposta. Para além disso, é pouco realista pensar que poderá manter o seu estilo de vida normal com um pequeno gerador de motor a gás no exterior da sua casa.

[divider top="1"]
out 292011
 
[spacer size="5"] [dropcap style="1" size="3"]H[/dropcap]olly Hayden é uma pesquisadora independente e colunista, escreveu o milagre hemorróida. Ela tem um programa conjunto que tem sido eficaz para milhares de pessoas que sofrem de hemorróidas em todo o Mundo.

A alegação de Holly baseia-se na “cura” das hemorróidas e para isso sugere remédios naturais não recorrendo a cirurgias ou pomadas caras.

Anatomia das hemorroidas

Sessões Curtas

Holly tem uma abordagem directa para lidar com o problema. O seu guia é objectivo e pode facilmente ser terminado em algumas curtas sessões. Com a sua investigação e com a sua própria experiência criou um sistema para ajudar que sofre de hemorróidas e precisa dum alívio duradouro.

[divider top="1"]

Remédios Caseiros

Deve-se ter em mente que no mundo hemorróida, a palavra “curar” significa que irá encolher-se e não lhe dará qualquer problema.

Se verificar no interior do sistema milagre hemorróidas vai encontrar abundância de remédios caseiros e tratamentos que fornecem maneiras de aliviar, diminuir e prevenir as hemorróidas. Estas soluções incluem métodos chineses de lidar com as hemorróidas, assim como muitas outras maneiras.

Uma explicação do porquê de alguns dos remédios mais usados na preparação H, até porque alguns somente resolvem temporariamente o problema, mas não chegam à raíz do problema. Variadíssimas idéias de adstringente natural e anti-sépticos são também fornecidas a fim de ajudar a aliviar a comichão, inchaço e dor.

Há tantos remédios sugeridos no livro, que se não encontrar algo que funcione para si, então há probabilidade de que nenhum remédio natural á sua medida, no entanto, depois de ler o guia, nós acreditamos que há algo lá dentro para cada um de nós. É um livro com ajuda muito concisa sobre os meios naturais de aliviar, curar, prevenir e se livrar de hemorróidas por completo.

[divider top="1"]

Como Evitar

Holly alcança outro nível, dando-lhe algumas dicas sobre como evitar hemorróidas de futuro. Ela aborda uma série de temas que ajudam a livrar do stress as veias da parede anal. Mantendo estas livres de inchaço é a única forma de prevenir hemorróidas. Aprofunda também sobre dieta e o estilo de vida.

[divider top="1"]

Receita para Acabar com as Hemorróidas

O preço do livro é de R $ 37. Holly também oferece suporte 24 / 7 para qualquer pessoa que compre o seu guia. É algo pouco comum hoje em dia, se estiver em dificuldades, pode pedir-lhe conselhos. Ao pagar alguns dólares pode actualizar o pacote multimídia. O material do guia em si é suficiente, mas o áudio cria uma outra dimensão às coisas, como Holly o leva através do seu “Crystal Remedy” (este é o remédio que ela diz que a ajudou a livrar das suas hemorróidas), assim como uma receita para ajudar a manter a pressão arterial em baixo, e muito mais.

[divider top="1"]

Minimizar o Risco

[dropcap style="1" size="3"]E[/dropcap]ntão poderá livrar-se completamente do seu problema de hemorróidas? Bem, a resposta é simples “não”. A verdade da questão é que não importa o que o programa afirma que pode fazer, as veias ainda existem na sua paredes anal. E embora não haja nenhuma maneira permanente de “curar”esta doença, alguns programas fazem um grande trabalho de minimizar o risco de hemorróidas, e igualmente grande na diminuição do tamanho e redução da dor, irritação associada a hemorróidas.

H-Milagre de Holly System é um produto muito bom se está á procura de um bom livro sobre cura de hemorróidas. O tratamento de cura 48 horas pode não ser preciso para todos, mas deverá começar a sentir um alívio rápido e ser capaz de melhorar significativamente.

[button link="http://www.oportunidadesx.com/hmiracle" color="#f4fd2f" size="4" style="2" dark="1" radius="auto" target="blank"]Visitar o site[/button]

[divider top="1"]
Vídeo

[divider top="1"]
jul 172013
 
Projectos escolares

HENRIQUE NUNWEILER ANGELIM SILVA

 

COMO TRABALHAR AS BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PROJETOS EM ESCOLAS PÚBLICAS

 

CARAGUATATUBA – 2013

2013

 

HENRIQUE NUNWEILER ANGELIM SILVA

 

COMO TRABALHAR AS BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PROJETOS EM ESCOLAS PÚBLICAS

 

CARAGUATATUBA – 2013

2013

COMO TRABALHAR AS BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PROJETOS EM ESCOLAS PÚBLICAS

HENRIQUE NUNWEILER ANGELIM SILVA

 

Henrique Nunweiler Angelim Silva[1]

 

Resumo

 Muito tem se falado na evolução do ensino publico e melhorias necessárias para a melhoria de diversos setores, mas como podemos trabalhar com tantos projetos de melhoria conseguindo controlar com perfeição as etapas e pessoas envolvidas? Durante o artigo levantaremos as principais tecnologias e boas práticas que facilitam o trabalho do gestor escolar. Este artigo não é focado para gestores de projetos, mas sim a gestores escolares que pretendem se familiarizar com o gerenciamento de projetos, que assim como será relatado, facilitará o trabalho de diversos profissionais da área.

 

Palavras-chave: Gestão. Projetos. Escola. Pública.

 

Introdução

 O presente trabalho tem como papel principal esclarecer dúvidas e responder questionamentos relacionados a como trabalhar as boas práticas de gerenciamento de projetos em escolas públicas. Mas existem ainda muitas dúvidas em relação à gestão de projetos em si, e qual seria sua importância a gestão escolar. Mas existem situações que todo gestor escolar, sendo diretores, coordenadores ou funcionários, deve gerir mais de um projeto ou esforço simultaneamente e que normalmente envolvem muitas pessoas. As principais dificuldades encontradas foram:

·         Falta de conhecimento de técnicas de gerenciamento de projetos;

·         Dificuldade de execução devido à sobrecarga de trabalho ou projetos;

·         Falta de interesse por parte dos gestores.

 

Segundo o PMBOKTM[2],

“O termo projeto é um esforço temporário empreendido para alcançar um objetivo específico. Projetos são executados por pessoas, geralmente têm limitações de recursos e são planejados, executados e controlados”. (PMBOKTM, c. Filial, p 1).

Isso nada mais é do que a realidade, muitos gestores escolares têm de empreender para realizar tarefas das mais variadas naturezas visando a melhoria, adaptação ou criação de serviços ou setores de sua área.

Neste contexto, o principal objetivo é fornecer aos gestores educacionais uma forma de gerir projetos especificamente voltados a gestão de escolas públicas. Para alcançar os objetivos propostos, utilizou-se como recurso metodológico, a pesquisa bibliográfica, realizada a partir da análise pormenorizada de materiais já publicados na literatura e artigos científicos divulgados no meio eletrônico. O trabalho final foi fundamentado nas ideias e concepções de autores como PMBOK(2012), Lück (2008), Motta (2010), Dias (2012) e Sena (2008).

Desenvolvimento

A área educacional recebe cada vez mais atenção e investimento por diversos fatores, mas o que realmente estamos tratando no momento é como estes investimentos serão trabalhados e quais são as formas de controlar com eficiência recursos humanos e financeiros, sem desamparar nenhuma das áreas.

Mas antes de tudo, vamos entender um pouco melhor o que vem a ser o gerenciamento de projetos. Normalmente, utilizamos uma metodologia que neste caso é a metodologia PMI. A metodologia PMI (Project Management Institute ou Instituto de Gerenciamento de Projeto) é um órgão que regimenta as boas práticas de gerenciamento de projetos. Eles definem as “áreas de conhecimentos” em:

  • 1.    Gestão de Escopo;
  • 2.    Gestão de Tempo;
  • 3.    Gestão de Custo;
  • 4.    Gestão de Qualidade;
  • 5.    Gestão de Recursos Humanos;
  • 6.    Gestão de Comunicação;
  • 7.    Gestão de Riscos;
  • 8.    Gestão de Aquisições;
  • 9.    Gestão de Integração.

As famosas nove áreas de conhecimento do PMBOKTM são dividas desta forma, cada uma com seu número de processos para o planejamento, execução, monitoramento ou encerramento de suas tarefas. Vamos começar a falar um pouco de cada área de conhecimento.

A primeira citada é a Gestão de Escopo, área esta responsável por todo o trabalho que deverá ser realizado para a entrega do produto ou serviço final. Nesta área, especificamos tudo o que será ou deverá compor nosso projeto, como por exemplo, o projeto de construção de uma nova biblioteca para a escola. Além da construção da biblioteca (que seria o produto final), também devemos fazer a aquisição de livros, mesas, computadores e etc., e tudo isso compõe o escopo do projeto.

A segunda área de conhecimento citada é a Gestão de Tempo, área responsável pela administração de prazos e metas de um projeto. Assim como foi visto na definição do que é um projeto, “projeto é um esforço temporário[3], portanto, o tempo de um projeto deve ser bem especificado e trabalhado.

A Gestão de Custo é a área responsável pelo cumprimento do orçamento estabelecido no escopo do projeto. Assim como foi visto na definição do que é um projeto, “Projetos são executados por pessoas, geralmente têm limitações de recursos…[4]. Durante a elaboração do escopo do projeto, é definido o orçamento do projeto, e tanto o cliente como o fornecedor devem entrar num consenso e aprovar um valor, e este valor é a base da gestão de custos de um projeto.

A quarta área é a Gestão de Qualidade, mas o que é qualidade? Segundo o PMBOKTM, a qualidade pode ser mensurada como “o grau até o qual um conjunto de características inerentes satisfaz as necessidades”, e segundo o PMI, “um projeto com qualidade é aquele concluído em conformidade com os requisitos, especificações e adequação ao uso”. Durante o desenvolvimento do escopo do projeto, devem-se descrever com clareza as características do serviço ou produto parcial e final do projeto. Seguindo o exemplo da biblioteca, vamos supor que no desenvolvimento do projeto foi decidido que a biblioteca teria 20 prateleiras de livros de literatura e de matemática, e a prestadora de serviço que prepara a biblioteca coloca apenas 10 prateleiras de cada matéria. Mesmo se os livros e as prateleiras forem corretos, o estabelecido no projeto foram 20 prateleiras, isso, portanto é uma execução de má qualidade. Resumidamente, qualidade é tentar criar um ou mais serviços ou produtos oferecidos ao cliente, o mais próximo possível do que ele solicitou.

A área de conhecimento seguinte é a Gestão de Recursos Humanos e é uma nova forma de se abordar o recurso humano. Até então, investimentos eram vistos somente como finanças, mas o PMBOKTM nos mostra que há uma preocupação na administração dos recursos humanos de um projeto. Os recursos humanos de um projeto nada mais são do que a equipe que participará do projeto, de qualquer forma, desde um diretor até um auxiliar, todos os envolvidos no projeto devem ser citados no Plano de Recursos Humanos. Ainda no exemplo da biblioteca, durante o planejamento e desenvolvimento do escopo, deve-se descrever quem será a equipe envolvida no projeto da biblioteca (não na sua manutenção posterior) como pedreiros, mestres de obras, arquitetos, engenheiros e etc.

Uma das áreas mais importantes do PMBOKTM é a Gestão de Comunicação que abrange também a Gestão de Conflitos. Segundo o professor Huxley Dias, a gestão de comunicação contém,

“… processos necessários para assegurar que as informações do projeto sejam geradas, coletadas, distribuídas, armazenadas, recuperadas e organizadas de maneira oportuna e apropriada”.

(DIAS, Huxley. GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES DO PROJETO. Slide 2. p. 1)[5]

Esta área é responsável pela comunicação entre todos os setores e envolvidos em um projeto, e pela gestão dos conflitos que possam ser gerados em decorrências de qualquer etapa do projeto.

A sétima área de conhecimento é a Gestão de Riscos, área esta que visa a minimização de riscos e ameaças que possam influenciar negativamente, direta ou indiretamente o resultado parcial e/ou final do projeto. É uma das ações mais complexas da gestão de projetos pois requer um conhecimento da área de atuação e muitas vezes a experiência facilita o trabalho pois podemos prever com mais facilidade possíveis eventos imprevistos no escopo do projeto.

A penúltima área de conhecimento é a Gestão de Aquisições. Segundo o site Wikipédia,

“O Gerenciamento de Aquisições do Projeto é responsável por cuidar das compras e aquisições de produtos, serviços ou resultados necessários para a realização do trabalho. A organização pode ser o comprador ou fornecedor do produto, serviço ou resultado. O Gerenciamento de Aquisições do Projeto inclui os processos de gerenciamento de contratos e de controle de mudanças necessários para administrar os contratos ou pedidos de compra. Este gerenciamento inclui, ainda, a administração de qualquer contrato emitido por uma organização externa (o comprador) que está adquirindo o projeto de uma organização executora (o fornecedor) e a administração de obrigações contratuais estabelecidas para a equipe do projeto pelos contratos.”

(Site WIKIPÈDIA. Gestão de Aquisições).[6]

 

Está área sempre estará de muitas formas atreladas a gestão de custos pois assim como ela, também deve respeitar o orçamento estabelecido no escopo do projeto.

E por último, a Gestão de Integração. Ela é de suma importância para o projeto, pois tem como responsabilidade integrar todos os serviços e produtos desenvolvidos no projeto. Ela está de várias formas, entrelaçada com todas as oito áreas anteriores, pois seu trabalho é apenas consolidar o conhecimento gerado por cada uma delas.

Mas depois de tudo isso, como utilizar estes conhecimentos na gestão escolar? Os conhecimentos de gerenciamento de projetos foram criados para serem aplicados em qualquer área, e por isso se adéquam perfeitamente a área educacional.

Quando falamos de melhorias na educação, tomaremos de exemplo uma unidade escolar que receberá um laboratório de informática no local onde havia uma sala de aula desativada. Há uma série de processos desde o pedido do laboratório até sua instalação na U.E.[7]. O PMBOKTM em sua 4ª edição, possui 40 processos, cada um deles executando uma função referente a uma das nove áreas de conhecimento.

Figura 1: Fluxograma de processos do Gerenciamento de Projetos segundo a metodologia PMI.[8]

Nem sempre precisamos utilizar todos estes processos para o desenvolvimento de um projeto, mas existem alguns processos vitais como “Controlar o escopo” ou “Coletar os requisitos” entre outros, que sem os mesmos, ficaria muito difícil gerir um projeto.

Então, depois que o gestor já possuir certo conhecimento em gerenciamento de projetos, ele deve selecionar os processos que melhor se adéquam ao seu projeto, e implementá-los em sua sequência, iniciação, planejamento, execução, monitoramento/controle e encerramento. Lembrando que a metodologia abordada não dita a forma correta e única de se fazer, mas tem como objetivo mostrar as boas práticas de execução de processos diversos que envolvam projetos. Estas práticas podem ser adotadas por gestores tanto para projetos que eles desenvolvam, como projetos desenvolvidos pela U.E. ou por outro órgão ligado aos mesmos.

Conclusão

Portanto, uma das formas mais fáceis e eficientes de se trabalhar com projetos em escolas públicas é através da metodologia PMI, que nos oferece uma grande quantidade de recursos e processos que podem ser trabalhados de forma maleável. Esta metodologia pode se adequar a todo tipo de projeto, independente da natureza do projeto, e todos eles podem ser trabalhados de forma completa, extinguindo a necessidade de improvisos por parte do gestor responsável pelo projeto, o que poderia atrapalhar o resultado o serviço ou produto final do projeto.

REFERÊNCIAS

PMI – INSTITUTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. O Corpo de Conhecimento de Gerenciamento de Projetos – PMBOK® GUIA EDIÇÃO 2012. São Paulo – Brasil 2012.

SENA, Cleonice; MIRANDA, Ivanilda O. Gerenciamento de Projetos. Disponível em: http://www4.faculdadepromove.br/expressao/index.php/files/article/download/7/pdf. Acesso em 13 de dez. de 2012.

DIAS, Huxley. Gerenciamento das Comunicações do Projeto. Disponível em: http://www.slideshare.net/huxleydias/gerenciamento-das-comunicacoes. Acesso em 13 de dez. de 2012.

LÜCK, Heloísa. Perspectiva da Gestão Escolar e Implicações quanto à Formação de seus Gestores. Disponível em: www.ceap.g12.br/site/download.php?cod=21. Acesso em 13 de dez. de 2012.

GARCIA, José. E. M. A Lenda da Área de Conhecimento Perdida. Disponível em: http://ogerente.com.br/rede/projetos/area-de-conhecimento-perdida. Acesso em 13 de dez. de 2012.


[1] Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Universidade Módulo. Professor de Informática no Colégio Tableau. Instrutor de Informática na Escola People Caraguatatuba. Professor da área de Programação para Computadores e Informática Administrativa na Escola Técnica de São Sebastião. Coordenador do Curso de Informática para Internet na Escola Técnica de São Sebastião.

[2] PMBOK – Project Management Book of Knowledge ou Corpo de Conhecimento de Gestão de Projetos. Livro que regimenta todas boas práticas de gestão de projetos pela Metodologia PMI.

[3] (PMBOKTM, c. Filial, p 1).

[4] (PMBOKTM, c. Filial, p 1).

[5] Acessado dia 09/12/2012 as 15:44 hs.

[7] Sigla que significa Unidade Escolar.

[8] Fonte: http://www.mhavila.com.br/topicos/gestao/pmbok.html Acessado dia 13/12/2012 as 20:34 hs.

Projectos escolares

jul 172013
 
Notícias

- Não existe qualquer ação contra o senador Aécio Neves, ao contrário do que informa o título da matéria. Existe apenas uma representação junto à PGR feita por dois deputados que lhe fazem oposição em Minas Gerais.

- A matéria sugere que há uma incompatibilidade entre o patrimônio pessoal declarado à Justiça Eleitoral e o fato de o senador dirigir um veículo da marca Land Rover, quando, na verdade, o carro pertence à empresa na qual ele mantém sociedade, não constituindo qualquer irregularidade no ato citado.

Notícias

- É incorreta a relação feita entre o capital social da emissora Rádio Arco Íris (Jovem Pan-MG) e o patrimônio da mesma. São informações distintas. O capital social de uma empresa guarda relação com sua fundação. Já seu patrimônio é resultado de seu faturamento acumulado ao longo do tempo. A frota de veículos mencionada encontra-se declarada corretamente pela emissora, entre seu patrimônio, e foi adquirida ao longo de cerca de vinte anos.

- Sobre a representação feita pelos mesmos deputados ao Ministério Público de MG, a mesma só foi arquivada após realizada investigação.

Pedimos avaliação dessas informações e esclarecimento aos leitores.

Conheça mais sobre o assunto no link do PSDB http://bit.ly/1aAbSAH

jul 142013
 
Tankregelung1

políticas de combustível
Ao alugar um carro é preciso ficar atento a diferentes detalhes, e um deles é a política de combustível aplicada pela locadora de veículos.

Conheça aqui as opções mais comuns oferecidas por locadoras de veículos pelo mundo:

Opção “full to full” - Ao escolher esta opção, o cliente irá receber o tanque de combustível do veículo CHEIO e deve devolve-lo da mesma maneira, CHEIO. Fique atento se a quantidade de combustível indicada no veículo corresponde ao documento fornecido pela locadora. Ao devolver o veículo, certifique-se de devolve-lo o mais cheio possível, pois a locadora poderá cobrá-lo do combustível faltante, o que pode lhe custar mais caro que o normal. Tente localizar um posto de gasolina próximo a locadora, para que facilite o abastecimento na devolução.

Opção pré-pago (ou Full to Empty) – Esta opção é geralmente comum em locadoras “low cost” (geralmente no sul da Europa). Para muitos essa é a opção mais conveniente, mas se você quer evitar surpresas no seu aluguel, evite escolher essa opção. Com esta opção o cliente tem de pagar localmente pelo tanque de combustível inicial, e deve devolve-lo o mais VAZIO possível, pois não haverá reembolso para o combustível não utilizado. Muitas vezes o preço do combustível cobrado pela locadora é superior ao cobrado na bomba de combustível comum.

Portanto fique atento na hora das escolha do seu veículo de aluguel. Leia todos os termos e condições e evite surpresas.

Nós da Auto Europe, pensando em facilitar a vida de nossos clientes, oferecemos em nossa página on-line um “filtro” onde você pode escolher filtrar a opção de combustível desejada no momento da reserva.

Espero que tenha achado este artigo informativo. Em caso de dúvidas ou questões, deixe-nos um comentário abaixo ou acesse o site da Auto Europe Brasil.

jul 142013
 
Despedimento

A mudança de treinador no  decorrer de uma temporada desportiva é uma estratégia muito utilizada pelos clubes de futebol e dos desportos profissionais em  geral. Trata-se de um ato de gestão que acarreta uma série de vantagens e  desvantagens e que exige uma ponderação muito cuidada por parte dos dirigentes.  Saiba quais são os prós e os contras em despedir um treinador de futebol e  conheça os efeitos que essa mudança provoca.

Despedimento

Vantagens em despedir um treinador de futebol

Injeção de motivação nos jogadores

A mudança de treinador acarreta,  geralmente, um acréscimo de motivação, em grande parte porque os atletas são  levados a aumentar o seu esforço para ganharem a confiança do novo técnico.

Introdução de novas ideias de jogo

Por vezes, o insucesso desportivo  deriva de uma certa repetição de processos em campo, o que facilita o trabalho  de preparação dos jogos por parte da equipa adversária. Ou seja, as estratégias  de jogo acabam por se tornar previsíveis. Dessa forma, a introdução de um novo  técnico, com novas ideias, poderá servir de clique para que a equipa reaja e vá  contra todas as adversidades. Muitas vezes, mesmo contra todas as  apostas, a equipa  teoricamente mais fraca vence a mais forte e acaba por conseguir uma boa  classificação geral.

Criação de uma nova onda de entusiasmo nos adeptos

Muitas vezes, os adeptos são os  primeiros a exigir a mudança do treinador. Assim, a entrada de um novo técnico  provoca novas esperanças nos adeptos, aumentando o entusiasmo e o apoio à  equipa.

Dar oportunidade a jogadores menos utilizados

Cada técnico tem ideias muito  próprias que, obviamente, são mais bem servidas por determinado tipo de  jogadores. Um técnico novo trará certamente novas ideias e, como tal, novas  oportunidades para jogadores até aí pouco utilizados na equipa principal.

Fomentar o interesse dos órgãos de comunicação social

A entrada de um novo técnico numa  equipa provoca na comunicação social um maior interesse pela vida de um  determinado clube, dinamizando a sua atividade. Por outro lado, também funciona  como uma estratégia de marketing, embora por via indireta. Um novo técnico  acrescenta novas notícias, novos motivos de interesse para a comunicação social  que assim contribui para uma maior divulgação da vida do clube.

Desvantagens em despedir um treinador de futebol

Fator económico

O despedir um treinador é uma  despesa acrescida para os “cofres” de um clube, pois será necessário pagar os  devidos salários pela quebra do contrato que os ligava e outras cláusulas  contratuais que possam existir. Normalmente, o clube tem de pagar ao técnico os  salários correspondentes à totalidade do contrato. É frequente que determinadas  cláusulas contratuais, ou a simples boa vontade do técnico, dispensem esse  pagamento. Mas, na maior parte dos casos, a substituição do treinador acarreta  despesas acrescidas.

Habituação dos jogadores à “chicotada psicológica”

Quando um clube muda  constantemente de treinador, os jogadores sentem-se mais desresponsabilizados  e, com o tempo, habituam-se à rotina de trocar de treinador. Por vezes,  verifica-se nos clubes alguma habituação a este tipo de mudanças que propiciam  nos jogadores a crença de que se algo não correr bem, o treinador será o  sacrificado. Mesmo que isto ocorra a nível inconsciente, é um fator negativo no  desempenho dos atletas.

Instabilidade no seio do plantel

A “chicotada psicológica” é um  momento de mudança que acarreta transtornos processuais, administrativos e  legais normalmente nefastos para a vida corrente dos clubes.

Necessidade de um novo período de adaptação por parte dos jogadores

A entrada de um novo técnico, com  ideias novas pode ser muito positiva para uma dada equipa. Mas uma vantagem  pode por vezes transformar-se num obstáculo; as novas ideias exigem dos  jogadores um período de adaptação que pode não ser compensado pelo fator de  motivação acrescida.

Imagem negativa do clube junto dos treinadores

A repetição da “chicotada  psicológica” numa mesma época ou em temporadas sucessivas pode causar uma  imagem negativa do clube junto dos treinadores; é comum ver que um clube onde  se tornou vulgar o despedimento, é um clube pouco desejado pela generalidade  dos treinadores, uma vez que aí sentem uma pressão acrescida sobre o seu  trabalho.

jul 142013
 
Surf

“As Praias” como era chamado o litoral norte em São Sebastião até a década de 70 e 80, época em que foi construída a rodovia Rio-Santos BR 101, que margeia a costa do estado de São Paulo e Rio de Janeiro.

A região era frequentada principalmente por turistas aventureiros e surfistas que procuravam lugares rústicos, sem a modernidade e infraestrutura que Santos e Guarujá ofereciam. Na época, os únicos habitantes de Boiçucanga e região eram os caiçaras que trabalhavam com a pesca, moradores da Vila dos Pescadores.

Atualmente, as praias do litoral norte como Juquehy e Maresias, próximas a Boiçucanga, são centros de turismo, com ótima infraestrutura com lojas, bancos, hospitais, ótimos restaurantes e até shopping centers. Esta condição atrai milhares de clientes por ano para passar temporadas com tranquilidade e segurança.

Surf

O Surf em São Sebastião, no litoral norte tem como o maior expoente a praia de Maresias, onde são realizados até campeonatos internacionais. Em Maresias, o Canto do Moreira é o local considerado por muitos surfistas como o lugar onde tem a melhor e mais tubular direita de São Paulo, com altura de até 10 pés.

Em Camburi, a prática de surf também é intenso por conta que o mar com ondulação constante tanto da esquerda como da direita. O local também tem ótima infraestrutura com relação a hotéis e pousadas, além de alguns dos melhores restaurantes do litoral norte de São Paulo.

 

Seguindo de São Pauolo para São Sebastião, o melhor caminho é pela Rodovia Carvalho Pinto- Ayrton Senna até a altura da cidade de Mogi das Cruzes. Então cruzar a cidade e descer a Serra do Mar em direção ao litoral pela Rodovia Mogi – Bertioga até a a cidade de Bertioga. Daí para frente seguir pela Rodovia Rio Santos sentido Rio de Janeiro até chegar na região das praias onde estão Juquehy, Maresias, Boiçucanga e Camburi.

jul 092013
 
fotebol

Um clube de futebol como o SL  Benfica é constituído por um conjunto de bons profissionais: treinadores,  dirigentes, preparadores físicos, fisioterapeutas, psicólogos, entre outros  técnicos especializados. Todos se empenham em trabalhar para o sucesso do clube  ao qual foram contratados. Os futebolistas não são exceção, pois trabalham para  servirem e para crescerem com o clube, procuram títulos e glória coletiva e um  local onde sejam felizes por muitos anos. Conheça os aspetos que determinam a  renovação de contrato de um jogador de futebol.

fotebol

1. A assiduidade

Um jogador de futebol deve  participar em todos os treinos e concentrações da equipa, uma vez que isso vai  promover a união e o estreitamento de laços de amizade do grupo. Deve ter a  responsabilidade de chegar atempadamente a todos os compromissos do clube e dar  o exemplo aos mais jovens. Apenas em caso de lesão ou em determinadas situações  de emergência é que a falta e o atraso são aceitáveis.

2. A disciplina

A disciplina é um aspeto  fundamental para que um jogador de futebol tenha o seu contrato renovado com o  respetivo clube. Assim sendo, o futebolista deve empenhar-se ao máximo em fazer  tudo o que lhe for pedido, sejam exercícios físicos, treinos específicos para  aperfeiçoamento técnico ou outras indicações que estejam descritas no seu  contrato.

3. O bom desempenho técnico em campo

É muito importante participar no  sucesso coletivo da equipa com um bom nível técnico dentro de campo. Mesmo que  o jogador não faça parte das apostas do treinador para o onze titular e esteja  no banco de suplentes, ele deve ter sempre um bom desempenho quando for chamado  a intervir em jogos amigáveis ou oficiais.

4. O bom relacionamento com técnicos e companheiros  de equipa

O futebolista deve ser obediente  ao seu treinador e respeitar os seus companheiros de equipa de forma  profissional e amigável. Brigas, desentendimentos e/ou agressões são  inaceitáveis e passíveis de multas/castigos severos. Em muitos clubes de  futebol, uma pequena discussão entre jogadores já foi motivo de rescisão  contratual.

5. O respeito pelos sócios e simpatizantes

Um jogador de futebol deve  respeitar sempre os sócios e os simpatizantes da equipa pela qual assinou  contrato. Declarações ofensivas ao clube ou à massa adepta na imprensa são  inaceitáveis e também passíveis de punição. O jogador deve ser sempre contido  nas suas declarações e evitar declarações polémicas para que a imagem do clube  não seja difamada nos órgãos de comunicação social.

6. A boa condição física

Os grandes futebolistas estão  sempre concentrados em melhorar a sua condição física para que o seu desempenho  em campo esteja sempre em alta. Para o conseguir, é fundamental ter uma vida  regrada e uma alimentação saudável para manter sempre um bom condicionamento  físico.

7. O bom comportamento fora de campo

Um dos aspetos que mais  influenciam a renovação de contrato de um jogador de futebol é a vida que ele  leva fora de campo. Além de bom jogador, ele precisa de ser um bom pai, bom  filho e bom companheiro. Quando um futebolista tem um comportamento desordeiro  fora de campo, o clube acaba sempre por ficar com má imagem, pois, no final de  contas, trata-se de um funcionário do próprio clube.

Enfim, para que um clube de  futebol renove o contrato de um jogador, todos os aspectos descritos acima são  avaliados, não somente a qualidade técnica, mas também a qualidade como ser  humano e profissional.

 

jul 092013
 
Alice_1-729x1024

Alguns amigos me enviaram uma mesma sugestão: mostrar algumas das minhas edições de Alice no País das Maravilhas e pedir ao professor Ângelo que mostrasse algumas das de Chapeuzinho Vermelho que ele possui.

Vou falar com ele. Enquanto isso, trago algumas Alices.

Fiquei na dúvida sobre qual critério usar.
Escolhi o do tempo.

Seguem três das edições mais antigas que tenho na minha coleção:
A primeira é uma edição americana de 1949:

Edição americana de Alice - 1949

Alice’s Adventures in Wonderland and Through the Looking Glass – 1949

A segunda, uma edição francesa de 1953:

Alice, edição francesa

Alice au Pays des Merveilles – Edição francesa

A terceira, uma edição brasileira de 1962.
A tradução é de Monteiro Lobato

Alice, edição brasileira - 1962

Alice no País das Maravilhas – Edição brasileira de 1962. Tradução de Monteiro Lobato

MAIS ALICE

Existem vários livros sobre Alice.
Um dos meus preferidos é All Things Alice, de Linda Sunshine, uma coletânea de frases, poemas e comentários sobre o livro e seu autor Lewis Carroll. Por exemplo, você sabia que ele numerava as cartas que escrevia e recebia e que a última teve o número 98.721? Nesse livro você também encontra referências de John Lennon, Borges e outros autores sobre Alice. Vale a pena.

Livro: All Things Alice

Livro: All Things Alice

Ps: Acabo de receber um e-mail do professor Ângelo. Ele tem “62 Chapeuzinhos Vermelhos em 8 línguas, sem falar em várias versões do folclore antes de Perraul.”
É, as minhas Alices ainda precisam crescer muito…

Fonte: http://andreaneves.com/site/mais-alice/

jul 092013
 
Banner-site_julho-2013

Na seleção mensal de julho, o Vinitude Clube dos Vinhos oferece aos seus sócios dois vinhos exclusivos. Além do lançamento, em primeira mão, do ‘Coletânea 2011’, vinho oficial da Copa do Mundo FIFA 2014, os sócios têm acesso ao ‘Dádivas Tempranillo Premium’, uma criação exclusiva para o Clube.

Ambos com a assinatura da vinícola boutique Lídio Carraro, o primeiro é um corte das uvas Merlot, Nebiollo e Touriga Nacional e se apresenta como um vinho original, com o toque de diversidade do Brasil, enquanto o segundo, Tempranillo  de produção reduzida de cachos por planta, permite um ótimo equilíbrio de aromas e sabores. Raro e exclusivo, o Tempranillo foi criado especialmente para atender aos Sócios do Clube dos Vinhos Vinitude, não sendo possível encontrar em qualquer outro lugar.

A brasileira Lídio Carraro representa a grande diversidade do Brasil, buscando os melhores terroirs , além de prezar por técnicas de vinificação que consideram o respeito ao meio ambiente e à mão de obra utilizada.

O Vinitude Clube dos Vinhos , através de nova parceria com a vinícola, garantirá o acesso de seus sócios aos vinhos de forma exclusiva, antes de todas as outras lojas físicas e online.

O Clube oferece três pacotes de assinatura – R$100, R$200 e $300 (2, 4 e 6 garrafas), garantindo seleções feitas por especialistas e qualidade no prazo e forma de entrega. Além das seleções mensais, o Clube oferece aos sócios benefícios em outros sites e lojas parceiras. A associação, assim como o desligamento no Clube, são inteiramente gratuitos. Acesse o site e saiba como funciona o clube: www.clubedosvinhos.com.br

Vinitude Clube dos Vinhos lança em primeira mão vinho da Copa do Mundo

jul 092013
 
home california

Painel para sala de TV

painel e rack de madeira
A sala é um dos espaços mais utilizados na casa, tanto para assistir TV como também para receber amigos e familiares. Este ambiente deve ser agradável, estimulante e relaxante para todos. A correta escolha dos móveis é importante para agregar funcionalidade à sua sala. Para acomodar a TV, sugiro a utilização de um painel, por ser um mobiliário multifuncional que serve para sustentar o televisor, ocultar fixação e como peça decorativa.
Deixo abaixo algumas dicas para escolha do painel:
1. Salas mais estreitas: o ideal é que o rack seja substituído por nicho e prateleiras com profundidade reduzida, fotos abaixo.
painel pequenopainel com prateleiras de vidro

 

2. Salas maiores: oferecem mais opções para colocação de painéis maiores, mas a proporção entre os demais móveis existentes no mesmo ambiente é importante. Um sofá muito pequeno conjugado com um painel muito grande, ou o inverso, deixará o local desarmônico.

painel para sala grande 

 

3. Cor e acabamento: se optar por madeira, sugiro o tom imbuia ou imbuia mel pois combina facilmente com os outros elementos do ambiente. Caso a opção seja por laqueado, escolha cor neutra como o branco, preto, cinza ou bege, pois este móvel será muito visto pelas pessoas durante muito tempo, e as cores mais vibrantes como laranja, vermelho ou amarelo com certeza causará cansaço visual e em alguns casos irritabilidade.

painel laqueado
jul 092013
 

Subindo a Serra da Mantiqueira, em direção ao interior de Minas Gerais, o viajante tem que passar na frente de uma cidade pequena chamada São Bento do Sapucai. A primeira vista, parece uma cidade onde o tempo parou e que não oferece muitos atrativos para o lazer do turista. Mas ao permanecer pelo menos um fim de semana hospedado numa das pousadas em São Bento do Sapucai, o turista percebe logo que não faltam opçãões de atrativos naturais para visitar como belas cachoeiras.

Cachoeira do Tobogã – Uma das mais belas cachoeiras da Serra da Mantiqueira, com aproximadamente 10 metros de altura, situada num ambiente calmo, no meio dos sítios do Bairro do Serrano, onde corre o Rio Sapucaí. Para chegar até esta queda dágua é preciso seguir por uma trilha que começa na principal estrada de terra do bairro e segue mato a dentro. No local existe um pequeno lago, próprio para o banho gelado dos visitantes.

Cachoeira dos Amores – Localizada no pé da serra que separa a cidade de São Bento do Sapucai de Campos do Jordão. Para chegar até está linda queda dágua basta seguir pela estrada do Paiol Grande – a mesma via que leva até o acampamento paiol Grande – e tomar a estrada a direita logo após o restaurante Sabor e Arte. No local, o visitante encontra um ambiente tranquilo, com gramado para fazer piqueniques e contemplar as quedas dáguas. Também é própria para banhos.

 

Cachoeira do Toldi – É a maior cachoeira da região, com uma queda dágua de cerca de 40 metros, escondida no meio da floresta de araucárias do bairro do Toldi, no caminho para Campos do Jordão. Na estrada Campista, que liga Campos a São Bento do Sapucai, existe um mirante, onde é possível parar o carro e apreciar a vista panorâmica das montanhas da Serra da Mantiqueira onde está situada a cachoeira do Toldi. A dica é seguir com cuidado pela estrada Campista, pois a subida é inclinada e existe muitas curvas fechadas, dificultando o trajeto.

Para mais informações acesse http://www.pousadassaobentodosapucai.com.br/ecoturismo-sao-bento-sapucai.html

jul 092013
 
Notícias
O governo federal teve que se confrontar com o Brasil real, onde as pessoas querem empregos de melhor qualidade, querem uma educação de maior qualidade, querem serviços públicos dignos. E se o governo insistir em não dar resposta a essas questões pode ser que a popularidade da presidente continue caindo”, diz Aécio Neves 
 
senador Aécio Neves (PSDB-MG) defendeu um corte de metade dos atuais 39 ministérios para que o governo federal possa atender ao povo brasileiro, que cobra por melhores serviços de saúde, educação e transporte público e por mais investimentos em todo país.

Em entrevista nesta segunda-feira (01/07), Aécio Neves disse que a presidente Dilma Rousseff precisa dar uma resposta ao clamor da população, a começar pela redução dos atuais 25 mil cargos de confiança existentes no governo.

Como presidente nacional do PSDB, ele lamentou que a presidente não tenha convidado nenhum dos integrantes dos partidos de oposição para debater a atual situação do país.

Na entrevista a seguir, Aécio Neves fala sobre a importante queda de popularidade sofrida pela presidente Dilma e sobre a proposta de reforma política em discussão no Congresso.
Assuntos: Convite a oposições, reforma política, plebiscito, agenda do Brasil real, queda da popularidade da presidente Dilma.
 
Sobre proposta de reforma política.
 
Eu me lembro que a última vez em que a presidente da República falou sobre a reforma política foi no dia da posse no Congresso Nacional em seu discurso. Foi até muito aplaudida, inclusive por nós. Nesses dois anos e meio este tema não esteve na agenda do governo. É saudável até que ele esteja agora. Mas isso tem de ser feito com muita responsabilidade. O que estamos percebendo é o governo perdendo o rumo. No afã de dar respostas rápidas à sociedade brasileira, o governo está perdendo o foco mais uma vez. As oposições apresentaram uma agenda para o governo. O governo sequer se dispôs a comentá-la, o que mostra que realmente não há disposição de conversar com as oposições.
 
Houve convite às oposições?
 
Até agora não houve. Acho que neste instante até perdeu um pouco o sentido. Mostra que até nisso o governo federal tem dificuldades de tomar uma posição. Anunciou-se que haveria um convite às oposições, mas ela já conversou com todos aqueles que costumam concordar com as suas posições. Talvez até pelas oposições terem uma posição divergente da presidente, talvez por isso não tenhamos sido convidados.
 
O convite ao sr. não foi feito?
 
Não foi feito a mim. Não foi feito às lideranças e, repito, acho que perdeu um pouco o sentido. Porque nós apresentamos uma pauta ao governo que passa pelo corte de metade dos cargos em comissão e metade dos ministérios poderiam ser extintos; investimentos na saúde poderiam ser aprovados no Congresso Nacional, assim como na educação; o fim do programa mirabolante, eu diria patético, do trem bala que custará R$ 50 bilhões aos cofres públicos. Poderia se substituído por investimentos nos metrôs das capitais.
 
Esta é a agenda que a oposição apresentou. Infelizmente o que estamos vendo é o governo mais uma vez dando respostas laterais e tentando, com este plebiscito de reforma política, abster-se da sua responsabilidade.
 
O sr. está dizendo é que se houvesse o convite não seria aceito de qualquer maneira?
 
Até estávamos dispostos a aceitar, mas no momento em que parece que a presidente já teve o amém ou a aquiescência daqueles que costumam aquiescer com as posições da presidente, nós temos dúvidas sobre para quê seria esta reunião. Se for para discutir esta pauta, uma pauta que interesse efetivamente ao Brasil, acho que poderíamos aceitar o convite. Mas se for para tirar mais uma fotografia ao lado da presidente da República, acho que ela certamente tem coisas mais relevantes a fazer.
 
Para discutir plebiscito ou referendo, por exemplo, valeria a reunião?
 
Acho que não porque esta é a pauta criada pelo governo e que o Congresso deve definir. Defendemos que o Congresso tenha uma agenda rápida para votar a reforma política e que depois seria submetida a um referendo. Isso me parece o mais razoável. Fazendo um plebiscito sobre matérias que não são de opções apenas sim ou não. São de opções múltiplas. É na verdade tentar tirar o foco da questão central. O governo tem fazer o pacto da reforma do Estado, cortando pela metade os ministérios e cargos públicos, até para justificar investimentos em outras áreas.
 
Fazer um pacto com o Congresso para que tenhamos 10% das receitas líquidas do governo investidas em saúde. 10% do PIB em educação. Projetos de mobilidade, sobretudo nos grandes centros, como as obras do metrô que não foram feitas durante este governo. Esta é a agenda do Brasil real. Esta é parte pelo menos da agenda que levou tantos brasileiros às ruas. A questão da reforma política é necessária, mas tem de ser feita com responsabilidade e, a meu ver, pelo Congresso Nacional.
 
Temos que ver qual é o objetivo desse plebiscito. Se for esclarecer a população para que ela possa opinar e tomar medidas adequadas, obviamente precisaremos de um prazo maior para que as pessoas compreendam o que é sistema eleitoral, como é feita a questão do financiamento público, o que é coligação proporcional, suas vantagens e desvantagens. Temos que debater a questão do mandato, eventualmente passar para cinco anos sem reeleição. Então, um conjunto de medidas que tradicionalmente, em qualquer parte do mundo, não são submetidas a um plebiscito. 
 
Não temos essa tradição, pela complexidade das questões. Se é para fazer com seriedade, é preciso, no mínimo, um tempo razoável para que as pessoas saibam no que vão esta votando. Me parece, mais uma vez, uma manobra, como foi a da constituinte exclusiva, que colocava em risco a ordem jurídica vigente no Brasil. Apenas um instrumento para tirar o foco das questões centrais. A má administração do país, a falta de resposta às questões que são concretas. Da mobilidade urbana, da baixíssima qualidade da educação, da falência do sistema de saúde, do aumento da criminalidade. É isso que as pessoas querem ouvir da presidente da República. Se ela acha que transferindo para o Congresso a responsabilidade de convocar um plebiscito estará de alguma forma abafando tirando do centro essas aflições dos brasileiros, acho que mais uma vez ela se enganará.
 
Como o sr. vê a queda de popularidade do presidente, mas também do PSDB e de governos do PSDB.
 
Na verdade, foi um recado claro a toda classe política. Em especial, aos governantes. Como temos no Brasil um centralismo muito grande, vivemos quase que em um Estado unitário, onde o poder central pode tudo, no momento da dificuldade, também, as pessoas tendem a responsabilizar o governo federal. Por isso, a queda da presidente foi maior. E ficou claro que o Brasil cor-de-rosa da propaganda oficial, do Brasil sem miséria, do Brasil de serviços públicos de altíssima qualidade, não existe. O governo federal teve que se confrontar com o Brasil real, onde as pessoas querem empregos de melhor qualidade, querem uma educação de maior qualidade, querem serviços públicos dignos. E se o governo insistir em não dar resposta a essas questões pode ser que a popularidade da presidente continue caindo.
 
Qual seria uma resposta à altura?

Eu faria algumas coisas simbólicas. O governo paquidérmico que tem hoje o Brasil é uma das motivações dessas manifestações. Eu cortaria pela metade o número de ministérios, metade dos mais de 25 mil cargos comissionados. Cancelaria o programa, por exemplo, do trem-bala, que custará R$ 50 bilhões, enquanto os metrôs das grandes capitais brasileiras precisam de investimentos.
 
Garantiria o apoio da base, que faltou até aqui, para que 10% das receitas líquidas da União fossem para a saúde, 12% dos estados já vão e 15% dos municípios já vão. Aprovar aquilo que propõe o Plano Nacional da Educação – 10% do PIB investido em educação – a médio, longo prazo, com metas, gestão eficiente no Brasil. Enfim, existe um conjunto de ações que o governo poderia tomar até do ponto de vista simbólico. Quem sabe a presidente da República vir a público dizer que espera que o Supremo Tribunal Federal conclua rapidamente o processo do mensalão e aqueles, eventualmente condenados, seja punidos. É isso, é por isso que clamou a população brasileira. Vejo a presidente da República tratando lateralmente essas questões.
 
O sr. acredita que esse clima de insatisfação no Congresso, dentro do próprio PT, da base aliada, as discussões sobre fim, ou não, de reeleição, podendo ser tradadas ainda para 2014, o sr. acha que favorece o clima de volta Lula?
 
Esse é um problema que não é nosso. O PT já está vivendo. O instituto da reeleição, ele quase que te obriga à reeleição, ele é quase que compulsório. A não candidatura de alguém que está no cargo é, no mínimo, a falência daquele governo. Ela vem com um atestado de, enfim, incapacidade de enfrentar os problemas. Mas esse é um problema que não quero comentar, vamos deixar que o PT  o resolva no tempo certo.
 
A nossa preocupação agora é cobrar ações para agenda real do Brasil. E não é essa que o governo busca apresentar ao país, apenas a questão da reforma política. Transferindo à população uma decisão sobre algo que a própria Presidência da República não tem posição. Não seria natural que ela dissesse ao Brasil qual reforma política que acha adequada? Fim de coligações, voto distrital misto, lista fechada, financiamento público? Porque, cada vez mais, vejo confundir-se com a pauta da Presidência da República a pauta do seu partido, do PT. Não podemos fazer uma reforma que seja para perpetuar, ou ampliar, o tempo de permanência do PT no governo. Temos que fazer uma reforma para dar maior representatividade aos partidos políticos, para dar mais eficiência ao processo político. E, obviamente, mais conexão dele com a sociedade.
 
PSDB faz alguma autocrítica, considerando as últimas pesquisas.
 
Todos nós, de alguma forma, recebemos um sinal muito claro. A população brasileira quer respostas. Não foi um sinal apenas a um partido. Mas aquele que está no poder central, que arrecada hoje e que mantém cerca de 70% de tudo do que é arrecadado hoje sobre seu controle, obviamente, sobre ele há uma cobrança maior. Mas temos que ter humildade para reconhecer esse recado que, repito, é a toda classe política brasileira. 
jul 092013
 
Notícias

Por Carlos Chagas*

No texto de Calos Chagas o jornalista destaca o posicionamento de Aécio Neves, líder da oposição, em relação a postura de Dilma frente a série de protestos. O senador mostra que é forte candidato para as eleições de 2014.

Há tempos que se cobrava de Aécio Neves um pronunciamento amplo e profundo, de candidato para valer, capaz de mostrar-se como tal, abordando problemas e soluções nacionais de curto e de longo prazo. Apesar de haver assumido a presidência do PSDB e destacando-se como o futuro indicado pelos tucanos à presidência da República, o senador mantinha-se numa zona de cautela. Fazia críticas ao governo, duras e respeitosas, mas continuava devendo um plano de vôo para maiores alturas.

Não deve mais. Seu discurso na tarde de terça-feira, em nome das oposições, preencheu com folga as expectativas de quantos aguardavam a presença, no ringue, de um contendor capaz de enfrentar Dilma Rousseff e a reeleição. Falou por conta da crise gerada pelas manifestações de rua e a necessidade de o Congresso e os partidos responderem aos clamores, reclamos e protestos da população.

Foi duro ao comentar a fala da presidente da República, feita na véspera. Para ele, o país ouviu o mesmo monólogo de sempre: “assistimos o Brasil Velho tentando ser ouvido pelo Brasil Novo, com o governo buscando terceirizar as dificuldades que ele mesmo criou”.

Aécio lembrou que até pouco nenhum governo havia disposto de tanto apoio popular e parlamentar. Por isso, ficou frustrado com as propostas de Dilma para superar a crise. Num momento como o atual, julgava impensável que as oposições não tivessem sido convocadas. Sua voz teria que ser ouvida antes da apresentação das medidas unilaterais do governo. “Não tivemos o privilégio de ser convocados”, queixou-se sem fechar as portas ao chamamento que veio depois, estando marcada para segunda-feira a ida dos tucanos ao Planalto. Citou Ulysses Guimarães para reclamar um novo pacto federativo: “Ninguém mora na União, nem no Estado. Mora-se no Município.”

Seguiu-se a apresentação de um elenco de iniciativas que o PSDB teria levado pessoalmente a Dilma, mas seria naquele momento divulgado pela tribuna do Senado.

Obrigatoriedade de ficha-limpa para a ocupação de qualquer cargo no serviço público. Extinção dos cartões corporativos para funcionários públicos. Apuração de todos os gastos do governo com a Copa das Confederações e a Copa do Mundo. Explicações da presidente Dilma sobre ter inaugurado tantos estádios, se agora afirma terem sido todos apenas financiados pelo BNDES, mas que os empréstimos serão pagos. Saber, também, quais os gastos de empresas brasileiras no exterior, a começar pela aquisição, pela Petrobrás, de uma refinaria falida em Passadena, Estados Unidos, a preços muito superiores aos do mercado.

 

“Para acreditarmos nas boas intenções da presidente – continuou Aécio – seria necessário um gesto simbólico por parte dela. Por que não reduzir pela metade o número de ministérios? Por que não cortar parte dos 22 mil cargos comissionados do Executivo, preenchidos pelo PT? A revisão das dívidas dos Estados é imprescindível, bem como a participação dos Estados na aplicação de pelo menos 50% daquilo que pagam à União. Tolerância zero com a inflação. Nível mínimo para as despesas públicas. Conclusão de todas as obras viárias ligadas à Copa do Mundo. Arquivamento do plano mirabolante do trem-bala e utilização de seus recursos na recuperação da malha ferroviária nacional. Revisão do investimento mínimo na saúde pública, com sua ampliação através de recursos dos royalties do petróleo, c om a óbvia prevalência para a educação. Recuperação das Santas Casas da Misericórdia, em estado falimentar em todo o país. Desoneração das empresas dedicadas ao saneamento básico.”

jul 092013
 
dilma_marina_aecio_campos

Pesquisa Datafolha divulgada ontem (29) no jornal Folha de São Paulo e no Blog do Fernando Rodrigues no UOL mostra queda da intenção de voto na presidente Dilma Rousseff e crescimento dos adversários, no caso, o senador Aécio Neves – PSDB – e Marina Silva – Rede.

Eleições 2014: Dilma atrás de Aécio Neves e Marina no sudeste.

No cenário com DilmaAécioMarina Eduardo Campos, a pesquisa mostra que no sudeste Dilma ficaria com 22% de votos, atrás de Marina (24%) e Aécio Neves (23%). Eduardo Campos, na região, tem 5% de intenção de votos. No caso, o sudeste é a região com o maior nível de escolaridade.

A presidente é sustentada com eleitores do nordeste, menos instruídos, mais velhos e do interior.


Veja AQUI a pesquisa no Blog do Fernando Rodrigues.

jun 272013
 
OpenIcons / Pixabay

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAIBA

 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM

ENDODONTIA

 MEDICAÇÃO INTRACANAL

 ANDRESSA DOS SANTOS MESSIANO

 SÃO PAULO – SP

2013

  

RESUMO

O tratamento endodontico têm como um de seus objetivos primordiais a eliminação das bactérias, as quais, geralmente vem associadas com o surgimento de lesões periapicais. Desse modo, o emprego de medicação intracanal visa minimizar os microrganismos, ali sobreviventes, buscando ceder elementos que possibilitem uma restauração plena dos tecidos bucais. O presente estudo tem por objetivo ceder revisão bibliográfica, concisa, sobre os diferentes tipos de medicação intracanal disponíveis, especificando os mais usuais em clínica odontológica. Como metodologia foi utilizada revisão bibliográfica aprofundada, a qual incluindo análise crítica, interpretação literária e compreensão de textos selecionados referentes ao tema “Medicação intracanal”. Com o presente estudo se conclui que a medicação intracanal é extremamente importante para o total sucesso do tratamento endodôntico, visto que essa impede a colonização, bem como a proliferação de microrganismos, no sistema de canais radiculares entre uma sessão e outra, sendo que os medicamentos, intracanais, mais amplamente utilizados na endodontia são: o Hidróxido de cálcio, o Tricresol formalina, o Hidrocortizona, o Paramonoclorofenol canforado, a Pasta Callen, o metronidazol, o Ciprofloxaciono e a Clorexidina. Lembrando que alguns microorganismos e/ou infecções são resistentes a certos fármacos, onde para se deter de melhores resultados é recomendada uma melhor investigação do patógeno e/ou do quadro infeccioso, buscando assim ceder de uma melhor escolha ao tratamento, tendo sempre em mente que cada caso é um caso e cada paciente é único em sua base mucosa bucal.

 

Palavras-chave: Endodontia. Medicação. Intracanal. Tratamento.

 

ABSTRACT

The endodontic treatment have as one of its primary objectives the elimination of bacteria, which usually comes associated with the emergence of periapical lesions. Thus, the use of intracanal medication aims to minimize the microorganisms, there survivors seeking assign elements that enable a full restoration of the oral tissues. This study aims to give a literature review, concisely about the different types of intracanal medication available, specifying the most common in clinical dentistry. Methodology was used as in-depth literature review, which including critical analysis, literary interpretation and understanding of selected texts on the subject “intracanal medication.” The present study concludes that the intracanal medication is extremely important to the overall success of endodontic treatment, since this prevents the colonization and proliferation of microorganisms in the root canal system between one session and another, and medications , intracanal more widely used in endodontics are: calcium hydroxide, the Tricresol formalin, the hydrocortisone, the paramonochlorophenol camphor, Folder Callen, metronidazole, and the Ciprofloxaciono Chlorhexidine. Recalling that some microorganisms and / or infections are resistant to certain drugs, where to hold the best results is recommended further investigation of the pathogen and / or the infectious, thus seeking to give better treatment choice, always bearing in mind that each case is different and each patient is unique in its base buccal mucosa.

 

Keywords: Endodontics. Medication. Intracanal. Treatment.

 

 

LISTA DE FIGURAS

 

·         Microinfiltração utilizando selador temporário;

·         Evitar perda do material utilizado nesse procedimento.

Dessa forma, todos os medicamentos intracanais utilizado podem de alguma forma ajudar a prevenir que os microrganismos encontrados na saliva causem danos ao paciente, para isso é necessário (AZEVEDO et al., 2009):

Ø  Barreira química: pode ser formada através da utilização de medicamentos cuja ação seja antimicrobiana, isso evitará microinfiltração, e eliminará qualquer possibilidade de infecção no canal do paciente;

Ø  Barreira física: pode ser formada através de medicamentos cuja ação seja a de revestir toda extensão do canal do paciente, e assim, evitar que os microrganismos que estejam localizados na salivo provoquem irritações no paciente.

Durante a realização da terapia endodôntica nos dentes que apresentam necrose pulpar, é possível surgirem algumas complicações, e conforme o caso o dentista deve analisar se existe a ocorrência exsudado seroso localizado no canal do paciente, isso pode surgir em virtude de processo inflamatório, ocasionado pela ação de micróbios (VALERA et al., 2003).

Caso a ação exsudada persista agindo nos tecidos da boca e ocorra irritação dos tecidos será necessário ministrar medicamento intracanal, entretanto, é necessário observar o seguinte (RUIZ et al., 2002):

Ø  Ação antimicrobiana causada por microrganismos persistentes aos medicamentos utilizados;

Ø  Inibir a resposta inflamatória ocasionada pelos microrganismos;

Ø  Concluir a ação de preenchimento do canal, a fim de evitar a ação de microrganismos;

Ø  Esperar que ação higroscópica possa absorver todos os microrganismos do exsudato.

A utilização da medicação intracanal visa controlar que o paciente reabsorva os microrganismos formadores da infecção que são decorrentes de luxações ou lesões causadas nos implantes por parte do tecido humano (SOUZA et al., 2002)

Com a utilização do processo de endodontia ocorre o selamento coronário da cavidade dental, assim, o material selador será responsável por controlar a ação bacteriana. Assim, quando o preenchimento do dente é realizado pelo selador temporário ocorre que a cavidade dental ficará por um breve período sem alcançar a ação mecânica produzida pelo procedimento que será realizado de forma definitiva, por isso, será necessária a utilização de um material mecânico para tal (SEMENOFFT et al., 2010)

Com relação à avaliação do selamento é necessário observar que há diferentes materiais utilizados para tal ação, e a escolha poderá se dar com a utilização de corantes, filtração dos fluídos, radioisótopos, entre outros, os quais seguem descritos no decorrer do presente estudo (REGINATO et al., 2004).

2.2 Hidróxido de cálcio

Dentro do tratamento ortodôntico é possível realizar curativo intracanal com pasta de hidróxido de cálculo, em virtude de poder alcalino que ele possui, além de propriedades bactericidas que impede a ocorrência de reabsorção dentária por parte do paciente (PIRES et al. 2011).

Caso ocorra, efeito antimicrobiano isso se dá pela sua associação com íons hidroxila e pelo pH do ambiente, isso promove a ruptura das membranas bacterianas citoplasmáticas, tal fato inibe as atividades enzimáticas que são essenciais para a produção do metabolismo e da atividade celular, ainda, é possível observar que o hidróxido de cálculo representa o único meio eficaz no tratamento de lipopolissacáriades. Tal fato é importante, pois, as endotoxinas são as principais responsáveis pela ocorrência de lesões periapicais, assim, através da sua utilização (alcalino) é possível cuidar dos micro-organismos que podem surgir nesse tratamento (MASSARA et al. 2012).

O hidróxido de sódio possui rápida liberação de íons de hidroxila, e isso facilita a contaminação dos micro-organismos, tal ação age de modo preventivo, e pode ser usado como curativo nos paciente pelo período de até 7 dias. Assim, através de sua utilização é possível perceber que o hidróxido de sódio evita a ocorrência de exudatos no canal dentário, é antiflamatório por inibir a produção de foslolipase, tem pH alcalino e isso evita a fosfotase, além de possuir ação neutralizadora de íons que reagem com as substâncias provoadoras de endotoxinas (PINHEIRO 2007).

Pasta de hidróxido de cálcio tem sido largamente usado como um canal de raiz vestir no tratamento da periodontite apical. A razão para a sua aplicação é baseada em suas propriedades antimicrobianas e mineralização.

Hidróxido de cálcio (CH) é uma base forte obtido a partir da calcinação do carbonato de cálcio até que a sua transformação em óxido de cálcio. CH é então obtido por hidratação de óxido de cálcio e a reacção química entre CH e formas de dióxido de carbono de carbonato de cálcio. É um pó branco com um pH alto (12.5) e é apenas ligeiramente solúvel em água (solubilidade de 1,2 g / l, a uma temperatura de 25 º C) 6 .

A eficácia do hidróxido de cálcio sobre microrganismos e tecidos está diretamente relacionada com a sua dissociação iônica em íons cálcio e hidroxila. Estrela, et al. 8 (1995) discutiu essa ação explicando que seu alto pH inibe a atividade de enzimas que são essenciais para a vida bacteriana, ou seja, metabolismo, crescimento e divisão celular. O efeito do pH sobre o transporte de nutrientes e componentes orgânicos através da membrana citoplasmática determina a sua acção tóxica sobre as bactérias. Isto também activa a enzima fosfatase alcalina hidrolítica, que está estreitamente relacionada com o processo de mineralização do tecido. Assim, o medicamento apresenta duas propriedades das enzimas fundamentais: a inibição das enzimas bacterianas que conduzem a um efeito anti-microbiano e a activação de enzimas de tecidos, tais como a fosfatase alcalina que conduz a um efeito de mineralização (ESTRELA et al., 2005. p. 2).

Assim, como ele possui ação neutralizadora dentro da dentina é possível verificar que o hidróxido de cálcio evita o surgimento de alguns microrganismos considerados resistentes a tratamento, tais como, enterococcus faecalis, além disso, existem outros antissépticos que possuem ação semelhante, cite-se, por exemplo, o o paramonoclorofenol (SOARES et al. 2003).

Portanto, o hidróxido de cálcio possui ação biocompatível, e sua utilização pode se dar nos casos de tratamento intracanal, isso se dá pela sua aplicação possui excelente absorção pelos tecidos do canal, e os resultados do curativo representam maior prolongação do curativo do paciente. Entretanto, os agentes antimicrobianos podem criar toxinas que podem ser prejudiciais ao paciente, e por isso, mas, os efeitos são amenizados pela ação alcalina daquela substância (MASSARA et al. 2012).

Assim, a utilização do hidróxido de cálcio é importante para o tratamento dos pacientes, pois, a calcinação produzida por esta substância resultará na formação de outra substância que é o hidróxido de cálcio, essa substância também é alcalina e pode ser utilizada no tratamento dos pacientes (ROZATTO 2010).

Segundo Oliveira e colaboradores (2010, p. 2), quanto à aplicação de hidróxido de cálcio intracanal, é vital salientar que:

O hidróxido de cálcio há muito tempo vem sendo a medicação de primeira escolha na terapia endodôntica. No entanto, a literatura enfatiza a resistência de alguns micro-organismos à ação deste fármaco, sendo assim vital a analise caso-acaso para se obter um melhor resultado.

2.3 Tricresol Formalina

Através do formaldeído será possível realizar tratamento terapêutico odontológico. A literatura relata sua utilização desde meados do século XVIII, sua utilização é uma das mais comuns no meio odontológico. Porém, apesar de seu sucesso tal substância é responsável pelo surgimento de substâncias consideradas tóxicas (SILVA et al., 2004).

A ação do tricresol formalina é curativa de longo período na câmara pulpar da dentição humana, assim, através de sua utilização é possível eliminar as lesões de cunho periapicais. Tal substância é composta de formaldeído e cresol; o primeiro é um gás formado no processo de combustão do metanol com solução de água potável, cuja solução é aquosa e formada por aproximadamente 40% de formalina. O tricresol é responsável pela diminuição dos micróbios que irritam o formaldeído. Tal material por sua vez, é basicamente tóxico, entretanto, ele pode ser usado como antisséptico (THOMAS et al. 2006).

Dos produtos utilizados como medicação intracanal, compoder germicida comprovado, destaca-se o tricresol formalina,o qual, segundo a literatura, tem uma atuação à distância, través de vapores ou por contato, cuja porção formaldeídica é  responsável pela principal ação antimicrobiana, que se dá pela ação alquilante sobre proteínas e ácidos nucléicos dos microorganismos, sendo também responsável pela ação altamente irritante aos tecidos vivos (SILVA et al., 2006, p.4).

O tricresol formalina tem utilização na câmara pulpar do dente, e sua ação visa neutralizar os nocróticos ali encontrados em face das lesões periapicais, além disso, ele é utilizado como bactericida (VALERA et al 2003).

A composição do Tricresol Formalina é de parte formaldeídica cuja principal ação é antimicrobiana, isso ocorre porque a concentração de alquilante agindo nas proteínas dos microrganismos, além disso, é possível observar ainda, que tal agente é responsável pela geração de irritação dos tecidos vivos, isso se dá pela alta concentração de formaldeído (90%), e sua utilização se dá como antisséptico. Alguns estudos já indicaram que sua utilização não pode ser superior a 48 horas no organismo humano, pois, após, esse período haverá surgimento de inflamação do tecido humano (THOMAS et al. 2006).

É aqui vital salientar que Valera e colaboradores (2009) indica que tal agente microbiano deve ser empregado por período máximo de sete dias.

Sua utilização se dá para tratamento de canais necrosados cuja instrumentação não foi realizada ou que foi realizada parcialmente (RUIZ et al. 2002).

Portanto, otricresol formalina é indicado em vários tipos de tratamento, e sua utilização se dá com o uso de algodão e aplicação no local infectado (MORAIS et al, 2001).

Cabe lembrar que não há uma indicação específica da quantidade utilizada no processo de tratamento, recomenda-se a utilização de quantidade que não causa nenhum tipo de reação adversa, cujos efeitos sejam sistêmicos (RUBIK 2007).

Segundo Silva e colaboradores (2004, p. 6), referente à utilização de tricresol formalina, é vital salientar que:

O potencial antimicrobiano obtido do tricresol formalina ainda carece de maiores resultados clínicos, principalmente frente à mimetização de uma real circunstância clínica que é sua evaporação via forame apical a fim de ser utilizado como medida única de eliminação microbiana intracanal.

 

2.4 Otosporin (Hidrocortisona)

Em alguns tipos de tratamento em que há a ocorrência de polpa viva os profissionais de odontologia utilizam-se de corticosteroides, e sua ação é mais resistente que essa substância forma uma parede de lisossomo capaz de resistir aos sintomas de destruição das células pela formação das proteínas lipo-cortina, tal fato por si só é capaz de evitar a ocorrência da fosfolipase, e com isso, evita-se o surgimento do ácido aracdônio, sua ação é de até 48 horas no organismo humano, com concentração maior a 2,5% para que o processo inflamatório possa ser inibido. Os corticoides utilizados são ricofort (misturado com rinosoro). Tais substâncias, por sua vez, tem ação antibiótica, isso devido a utilização de corticosteroide que evita a contaminação do paciente (PINHEIRO 2007).

Figura

Fonte: Google imagens, 2013

 

O Otosporin nada mais é do que a junção de corticoide com sulfato de neomicina e antibiótico. Tal associação é capaz de diminuir a ação inflamatória ocasionada pela ação cirúrgica ou da utilização de substâncias químicas, entretanto, ela também está relacionada como curativo, pois, em alguns casos podem ocorrer traumas que podem levar o paciente a infecção (RUIZ et al. 2002).

 

Este é uma associação de hidrocortisona (corticóide), sulfato de neomicina e sulfato de polimixina B (antibióticos). O corticóide é um efetivo antiinflamatório, entretanto reduz as defesas teciduais. Por isso, a presença dos antibióticos é justificada, para auxiliarem no combate de eventual contaminação bacteriana durante o preparo ou por infiltração através da restauração provisória (ENDOLINE, 2013, p. 1).

 

Assim, o otosporin é utilizado na redução da vasodilatação, e consequentemente na redução da exsudação de líquidos, cuja ação seja de vasoconstritora nos vasos sanguíneos dos pacientes (SILVA et al. 2004).

2.5 Paramonoclorofenol canforado

A atividade realizada pela ação antimicrobiana da substância paramonoclorofenol canforado é relacionada como ação antibactericida, pois, essa substância pode romper a membrana das bactérias e torná-las sem efeitos nocivos aos pacientes, isso porque as enzimas das bactérias são oxidadas, cabe ainda lembrar, que o paramonoclorofenol libera cloro que tem ação antimicrobiana e anula os efeitos nocivos das bactérias (FILHO et al., 2007).

O paramonoclorofenol (PMC) é um potente agente antimicrobiano que apresenta-se sob a forma de cristais e possui odor fenólico característico. Possui dupla ação devido às propriedades anti-sépticas do fenol e do íon cloro, o qual é liberado lentamente. No intuito de potencializar sua atividade antimicrobiana e reduzir sua citotoxicidade, diversos autores têm sugerido a associação do PMC com outras substâncias, como a cânfora e o furacin. Além de aumento da atividade antimicrobiana e diminuição do seu potencial de irritação, a associação do PMC com a cânfora ou com o furacin propicia maior poder de penetração do medicamento na dentina e ramificações do canal radicular, fornecendo maior halo de inibição do crescimento bacteriano. É indicado em casos de dentes despolpados quando é tecnicamente difícil o uso do hidróxido de cálcio, especialmente em canais muito estreitos, ou quando o tempo de permanência do curativo for curto (ENDOLINE, 2013, p 1).

Dessa forma, o paramonoclorofenol tem sido utilizado como agente antimicrobiano, cuja ação apesar de não ser específica apresenta bons resultados no controle das bactérias (RUIZ et al 2002).

Entretanto, o cloro que é liberado por essa substância age somente por contato, e por isso sua ação em alguns casos é amenizada, porém, tal fato manter sua função antisséptica (PINHEIRO 2007).

No caso de endodontia o paramonoclorofenol canforado é o que apresenta melhores resultados no combate de microrganismos nocivos encontrados no canal, entretanto, tal produto possui alta concentração de atividade citotóxica, isso visa reduzir o impacto da irritação no organismo humano e permite ao paciente controlar melhor os microrganismos que causam irritação (FILHO et al. 2007).

2.6 Pasta Callen (Hidróxido de cálcio + Paramonoclorofenol canforado)

O hidróxido de cálcio na sua forma pastosa é uma das mais utilizadas em pesquisas odontológicas, as pesquisas realizadas no Brasil utilizam os modelos Holland e Calen, tais modelos apresentam como única diferença o veículo utilizado, a primeira utiliza propileno glicol, enquanto que a segunda utiliza glicol 400 (OLIVEIRA 2005).

Com relação a utilização da pasta callen ela nada mais é do que a combinação de paramonoclorofenol mais hidróxido de cálcio, essa substância possui maior ação antibactericida, e sua utilização se dá através da aplicação no canal com o uso de injeção, sua ação é de aproximadamente 7 dias no organismo (no mínimo), e quando há lesão no canal ele permanece até 14 dias. O efeito alcalino aparece apenas após, 30 dias, e sua duração é de 120 dias com pH 10 (PINHEIRO 2007).

Com a utilização de veículo acrescido para formação da pasta de hidróxido de cálcio é possível verificação maior velocidade na dissociação iônica, isso é reflexo da ação físico-químicas deste processo e da ação antimicrobiana resultante do organismo.

Já a velocidade de dissociação realizada ela pode apresentar diferentes resultados, isso dependerá da ação de viscosidade empregada nos veículos, e da quantidade de substância absorvida pelo organismo. Cabe lembrar ainda, que a relação do veículo com a solubilidade da composição da pasta é responsável pela quantidade de material absorvido pelo organismo, e do grau de combate as substâncias ali presentes (OLIVEIRA 2005).

A utilização do paramonoclorofenol canforado a outras substâncias está relacionada nos tratamentos endodôntico, pois, tal substância é capaz de reduzir a ação nociva dos microrganismos, além de atuarem como desinfetantes dos canais radiculares irritativos, isso de dá em virtude da contaminação dos tecidos pulpo-periapicais do pacientes, entretanto, cabe lembrar que o paramonoclorofenol tem ação citotóxica e tal ação dependerá da quantidade da concentração do paramonoclorofenol. Os estudos relacionados a sua utilização no controle dos microrganismos é associada a sua mistura com hidróxido de cálcio, está é uma substância utilizada para desinfecção do organismo contaminados pelos microrganismos. (FILHO et al. 2007).

2.7 Metronidazol

A utilização do metronidazol nos procedimentos odontológicos está relacionada com sua utilização de modo isolado ou não a outras substâncias, nos casos de tratamentos mecânico, pois, já foi comprovado que esta substância reduz a flora anaeróbia, e assim, elimina todas as bactérias ali encontradas, além disso, o metronidazol rompe o DNA das bactérias e inibe a criação de ácidos nucleicos, assim, pode-se dizer que sua ação é antibacteriana e esta relacionada aos bacilos anaeróbios de Gram negativos (SOUZA et al. 2005; CARNEIRO et al., 2007)).

Na periodontia, o metronidazol, já vem sendo utilizado há alguns anos, topicamente, associado ou não a outras drogas como complemento da terapia mecânica convencional, já tendo sido comprovada, microbiologicamente, a redução da flora anaeróbica com o seu emprego. O metronidazol promove rompimento do DNA bacteriano e inibe a síntese dos ácidos nucléicos, agindo como substância bactericida, atuando em quase todos os bacilos Gram negativos anaeróbios (CARNEIRO et al., 2005, p. 79).

Por atuar diretamente nas bactérias anaeróbias o metronidazol é sempre encontrado nas regiões mais profundas da área infectada (FERREIRA et al. 2006).

O metronidazol é pouco utilizado através de aplicação intracanal, contudo, sua ação e resultado são muito eficientes, além de não apresentar qualquer tipo de efeito colateral, e há vários relatos que o associam com o ciprofloxacin na formação do ciprofloxacina metronidazol, pois, este é utilizado com conjunto com hidróxido de cálcio no combate dos microrganismo (MACHADO et al. 2009).

Siqueira Junior (1997) apud Carneiro e colaboradores (2005, p. 79) dita que:

Em pesquisas de laboratório se verificou que o Metronidazol foi mais eficiente do que o próprio hidróxido de cálcio associado com o PMCC em duas culturas utilizadas (Porphiromonas endodontalis e o Fusobacterium nucleatum) e que o mesmo apresentou os melhores resultados quando comparados ao hidróxido de cálcio com água destilada e resultados superior em relação a clorexidina. Esses autores concluíram que o metronidazol é eficaz em bactérias anaeróbias gram-positivas e gram-negativas, atuando também, nas principais bactérias anaeróbias estritas existentes no interior do canal radicular, tais como: Prevotella, Porphyromonas, Fusobacterium, Clostridium, Bacteróides e Eubacterium.

2.8 CFC – Ciprofloxacina + Metronidazol

O hidróxido de cálcio pode ser utilizado para aumentar a propriedade antibacteriana, para isso basta associá-lo com as substâncias ciprofloxacin (e/ou metronidazol), a fim de formar o ciprofloxacina metronidazol. Tal substância é considerada uma droga, e sua ação pode ser não adequada no tratamento de bactérias anaeróbias, mas, por outro lado, ela pode ser utilizada no combate de substâncias aeróbios que pertençam ao grupo das estafilococos, enterobactérias ou pseudomonas (MACHADO et al. 2009)

O ciprofloxacina metronidazol tem se apresentado como a medicação que melhores resultados apresentam no combinado dos Enterococcus faecalis, isso porque no tratamento endodôntico há vários grupos de substâncias que podem ocasionar infecção, e de modo geral o ciprofloxinacina é a que apresentou melhores resultados no combate, entretanto, tal substância quando utilizada de forma isolada não apresenta o mesmo resultado positivo (MASIERO, 2010).

Em avaliação do potencial de esterilização da dentina infectada do canal radicular de dentes extraídos, empregando topicamente uma mistura de Ciprofloxacin, Metronidazol e Minicicline. Os resultados mostraram que após 24 horas da aplicação dessa combinação, não havia sido identificada bactéria na dentina infectada do canal radicular, exceto em um caso. Esses autores afirmaram que as drogas antimicrobianas testadas são potentes, capazes de penetrar profundamente na dentina, promovendo efeito a distância do forame apical. Concluíram relatando que esse medicamento poderia ser uma alternativa valiosa a mais no tratamento de infecções endodônticas (SATO et al., 1996 apud CARNEIRO, 2005, p. 79)

As infecções de cunho endodônticas podem se apresentar de diferentes formas, e as chances de ter uma eliminação satisfatória deve relacionar a utilização do ciprofloxacin com outras substâncias combinadas (MASIERO et al. 2010).

2.9 Clorexidina

Através da utilização de clorexidina líquida, seja ela nas concentrações de 0,12% até 5% é possível fazer controle dos microrganismos encontrados no tratamento intracanal (MICHELOTTO et al 2008).

Segundo rosa e colaboradores (2011), a clorexidina apresenta excelentes resultados em atos intracais no combate dos microrganismos.

A ação antimicrobiana produzida pela clorexidina se dá pela natureza catiônica desta substância que age com o composto aniônico do micróbio localizado na superfície da boca, e seu contato é capaz de fazer com que a interação realizada com a membrana plasmática a modifique e faça com que as proteínas citoplasmáticas sejam levadas ao balanço osmótico, e modifiquem a estrutura e crescimento das células microbianas (BEVILACQUA et al., 2004).

Tal aderência, por sua vez, permite a geração de ácidos teicóicos que são encontrados nas bactérias Gram-positivas, isso leva tais substâncias ao encontro de lipopolissacarídio encontrados em bactérias Gram-negativas. Por isso, a propriedades catiônicas desta substância leva a ocorrência do surgimento de microrganismos encontrados no biofilme dental, isso faz com que a sua concentração seja diminuída em razão do contato com a saliva, entretanto, em virtude da substantividade é possível observar o efeito mais duradouro do tratamento, a concentração da substância deve estar entre 0,2% a 2% (VALERA et al. 2009).

Com relação ao nível de toxicidade quando ela se apresentar num nível baixo haverá alta concentração de limpeza devido a utilização do hipoclorito de sódio, contudo a difusão realizada do sistema dentário torna o agente indicados especificamente para tratamento endodôntica (SILVEIRA et al. 2007).

2.9.1 Ação antimicrobiana da clorexidina

Através da ação antimicrobiana da substância clorexidina é possível relaciona-la no controle das bactérias aeróbias (e/oi anaeróbias) encontradas nos Gram-positivos (e/ou negativas), isso faz com que a ação bacteriana aumente sua concentração, pois tal fato leva a ruptura das membranas do citoplasma dos microrganismos. Entretanto, em virtude da sua concentração ela pode apresentar diminuição ou aumento da síntese ATP encontrada nas bactérias (SEMENOFF et al., 2010).

A atividade antimicrobiana da clorexidina se deve a sua natureza catiônica que promove aderência ao composto aniônico da superfície microbiana, capaz de alterar a integridade de sua membrana plasmática, modificando sua permeabilidade, promovendo a precipitação das proteínas citoplasmáticas e alterando o balanço osmótico, além de modificar o metabolismo, crescimento e divisão da célula. Essa aderência ocorre através dos grupos fosfato dos ácidos teicóicos presente nas bactérias Gram-positivas, e por meio dos grupos fosfato do lipopolissacarídio das bactérias Gram-negativas (GOMES et al., 2003, p. 28).

Segundo Valera e colaboradores (2009, p. 39), é vital salienta\r a ação da clorexidina somada ao hidróxido de cálcio visto que:

O hidróxido de cálcio tem sido amplamente utilizado como medicação intracanal e tem demonstrado efetiva ação sobre LPS, pois promove hidrólise da porção lipídica da endotoxina, neutralizando seus efeitos biológicos. A associação hidróxido de cálcio e clorexidina a 2% promove aumento da ação antimicrobiana do hidróxido de cálcio e mantém a atividade indutora de reparação, além da efetividade sobre endotoxinas presentes no canal radicular.

2.9.2 Substantividade

Algumas substâncias possuem ação prolongada quando comparadas a outras, cite-se, como exemplo, a clorexidina, essa substância apresenta uma substantividade, ou seja, tal substância é capaz de agir na superfície dental, além de atuar na glicoproteínas salivares, e sua ação dependerá da sua concentração, assim como o período de permanência no organismo humano (MICHELOTTO et al, 2008).

Assim, o tratamento endodôntico terá sucesso ou não em face do preparo mecânico realizado previamente, pois, tal preparo será determinando para o controle microbiano e da irritação causada na boca do paciente, de modo que tal possa permitir a impermeabilização do canal do paciente, a desinfecção será feita com substância química através de medicação intracanal, de modo que essa ação microbiana possa ser totalmente eliminada (PEREIRA et al., 2009).

A utilização da clorexidina no tratamento intracanal já mostrou que tem resultado eficiente, pois, ela age no organismo por até 168 horas, para se chegar a esse valor é necessário que ela seja utilizada por um período de 7 dias, além dos resultados obtidos no controle antimicrobiano (SILVEIRA et al., 2007).

Por isso, qualquer tipo de dificuldade encontrado na remoção da clorexidina do canal pode comprometer a ação de restauração da obturação (MICHELOTTO et al, 2008).

2.10 Prednisolona (Rifocort)

Alguns corticosteróides apresentam ação anti-inflamatória moderada, cite-se como exemplo, a prednisolona (e/ou a hidrocortisona). Ambas as substâncias podem ser utilizadas sem nenhuma restrição, pois, não produtos qualquer efeito sistêmico prejudical ao ser humano (SOUZA et al., 2002).

 

Figura

Fonte: Google imagens, 2013.

 

Há mais de 50 anos tais substâncias já são relacionadas no combate de agentes infecciosos e relacionados a endodontia, isso por que, no tratamento odontológico alguns pacientes apresentam reações alérgicas aos antibióticos utilizados no tratamento, isso se dá pelo fato de não haver um controle rigoroso em relação ao controle bacteriológicos, e da chance de alguns antibióticos possibilitarem que formação de bactérias; isso faz com que a ação antibacteriana não seja totalmente eficaz e necessite da complementação de outras substâncias que visem acabar com os microrganismos ali encontrados

Nos tratamentos endodônticos é possível, então, utilizar-se de substâncias intracanais que visem eliminar a contaminação dos canais radiculares do pacientes, entre as sessões de tratamento, de modo que o paciente possa permanecer sua saúde em perfeitas condições (SILVEIRA et al, 2007).

 

CONCLUSÃO

O tratamento endodontico detém como uma das principais preocupações, o de ceder assepsia completa ao sistema de canais radiculares. Nessa busca se faz viável integrar aos cuidados uma medicação intracanal, a qual expande o padrão de antissepsia no preparo biomecânico.

No entanto é vital salientar que diversos estudos, in vitro, salientam que a total eliminação da infecção no sistema de canais radiculares é um desafio ainda muito presente a endodontia dita “moderna”.

Contudo se conclui que a medicação intracanal é extremamente importante para o total sucesso do tratamento endodôntico, visto que essa impede a colonização, bem como a proliferação de microrganismos, no sistema de canais radiculares entre uma sessão e outra, sendo que os medicamentos, intracanais, mais amplamente utilizados na endodontia são: o Hidróxido de cálcio, o Tricresol formalina, o Hidrocortizona, o Paramonoclorofenol canforado, a Pasta Callen, o metronidazol, o Ciprofloxaciono e a Clorexidina. Lembrando que alguns microorganismos e/ou infecções são resistentes a certos fármacos, onde para se deter de melhores resultados é recomendada uma melhor investigação do patógeno e/ou do quadro infeccioso, buscando assim ceder de uma melhor escolha ao tratamento, tendo sempre em mente que cada caso é um caso e cada paciente é único em sua base mucosa bucal.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • AZEVEDO C. P.; BARCELOS R.; PRIMO L. G. Variabilidade das técnicas de tratamento endodôntico em dentes decíduos: uma revisão de literatura. Arquivos em Odontologia, Rio de Janeiro, v. 45, n.1, jan./mar. 2009.
  • BEVILACQUA, I. M.; HABITANTE, S. M.; CRUZ, C. W. A clorexidina como alternativa no tratamento de infecções endodônticas: revisão da literatura. Rev. Biociên., Taubaté, v. 10, n. 3, p. 139-145, jul./set. 2004.
  • CARNEIRO, S. M. B. S.; DOURADO, A. T.; ALVES, D. F. Uso do metronidazol como medicação intracanal em dentes com necrose pulpar e reação periapical – relato de caso. Revista Odonto Ciência – Fac. Odonto/PUCRS, v. 20, n. 47, jan./mar. 2005
  • CARNEIRO, S. M. B. S.; DOURADO, A. T.; ALVES, D. F. Uso do metronidazol como medicação intracanal em dentes necrosados. RGO, Porto Alegre, v. 54, n. 1, p. 84-86, jan./mar. 2007.
  • DOTTO S. R.; TRAVASSOS R. M. C.; FERREIRA R.; SANTOS R.; WAGNER M. Avaliação da Ação Antimicrobiana de Diferentes Medicações Usadas em Endodontia. Revista Odonto Ciência; Fac. Odonto/PUCRS, v. 21, n. 53, jul./set. 2006.
  • ENDO-E. Medicação intracanal/MIC. Disponível: http://www.endo-e.com/images/MIC/medica_intracanal.htm. Acesso Junho 2013.
  • ENDOLINE. Medicação intracanal. Disponível: http://www.endonline.com.br/filo/mic.htm. Acesso Junho 2013.
  • ESTRELA, C.; ESTRELA, C. R. A.; GUIMARÃES, L. F.; SILVA, R. S.; PÉCORA, J. D. Tensão superficial do hidróxido de cálcio associado a diferentes substâncias. J. Appl. Oral Sci. vol.13 no.2 Bauru abril / junho 2005.
  • FACHIN E. V. F.; NUNES L. S. S.; MENDES A. F. Alternativas de medicação intracanal em casos de necrose pulpar com lesão periapical. Revista Odonto Ciência ; Fac. Odonto/PUCRS, v. 21, n. 54, out./dez. 2006.
  • FERREIRA, H. C.; REGO, M. A. Avaliação in vitro de propriedades físico-químicas de cimentos de ionômero de vidro convencionais, após adição de própolis e antibióticos. Cienc Odontol Bras 2006 jan./mar.; 9 (1): 38-46. Disponível em: < http://ojs.fosjc.unesp.br/index.php/cob/article/view/267/205>. Acesso Junho 2013.
  • FILHO, H. N.; NAGEM, H. D.; COUTINHO, K. Q.; CARVALHO, P. R. M. de A.; FIUZA, C. T. Propriedade do Paramonoclorofenol Canforado e Paramonoclorofenol Canforado Associado ao Hidróxido de Cálcio. Pesq. Bras. Odontoped. Clin. Integr., João Pessoa, 7 (3): 235-239, set./dez. 2007. Disponível em: < http://revista.uepb.edu.br/index.php/pboci/article/viewFile/168/115>. Acesso Junho 2013.
  • GOMES, B. P. F. A.; SOUZA, S. F. C.; FERRAZ, C. C. R.; TEIXEIRA, F. B.; ZAIA, A. A.; VALDRIGHI, L.; SOUZA-FILHO, F. J. Effectiveness of 2% chlorhexidine gel and calcium hydroxide against Enterococcus faecalis in bovine root dentine in vitro. Int Endod J. 2003;36:267-75.
  • MACHADO, M. E. L. Endodontia: da biologia à Técnica. São Paulo: Santos, 2009. cap. 19, p. 299-320.
  • MASIEIRO, A. V.; TAVARES, A. R.; BEUMER, J.; PEREIRA, R. R. CFC: uma alternativa pra as infecções endodônticas resistentes? Rev. bras. Odontol., Rio de Janeiro, v. 67, n. 1, p. 123-7, jan./jun. 2010.
  • MASSARA, M. L. A.; TAVARES, W. L. F.; NORONHA, J. C.; HENRIQUES, L. C.; SOBRINHO, A. P. R. A Eficácia do Hidróxido de Cálcio no Tratamento Endodôntico de Decíduos: Seis Anos de Avaliação. Pesq Brasil Odontoped Clin Integr, João Pessoa, 12 (2): 155-59, abr./jun., 2012.
  • MICHELOTTO, A. L. C.; ANDRADE, B. M.; SILVA JÚNIOR, J. A.; SYDNEY, G. B. Clorexidina na terapia endodôntica. RSBO v. 5, n. 1, 2008.
  • MORAIS, C. A. H.; BERNARDINELI, N.; GARCIA R. B.; WESTPHALEN, V. P. D. Paramonoclorofenol canforado e formocresol: empirismo x ciência. JBC – Jornal Brasileiro de Clínica & Estética em Odontologia, v. 5, n. 25, jan./fev. 2001.
  • OLIVEIRA, L. F. B. Avaliação da resposta do tecido ósseo de cobaias às pastas à base de hidróxido de cálcio utilizadas como medicação intracanal. Dissertação (Mestrado Endodontia). Ribeirão Preto: UNAERP, 2005.
  • OLIVEIRA, E. P. M.; IRALA, L. E. D.; SANTOS, A. R.; MELO, T. A. F. Avaliação da ação antimicrobiana de quatro formulações a base de hidróxido de cálcio utilizadas como medicação intracanal. RFO UPF vol.15 no.1 Passo Fundo Jan./Apr. 2010.
  • PEREIRA L.; NABESHIMA C. K.; BRITTO M. L. B.; PALLOTTA R. C. Avaliação do pH de substâncias utilizadas como medicação intracanal em diferentes veículos. RSBO v. 6, n. 3, 2009. Disponível em: < http://www.endonline.com.br/artigos/integra/lucineideetal2009.pdf>. Acesso Junho 2013.
  • PINHEIRO, M. Endodontia. Publicado 2007. Disponível em: < http://superpopo2.tripod.com/endodontia.pdf>. Acesso Junho 2013.
  • PIRES, H. C. S.; REPEKE, H. P.; CARNEIRO, E.; FARINIUK, L. F.; NETO, U. X. S.; ROSA, E. A. R.; WESTPHALEN, V. P. D. Antimicrobial effect of calcium hydroxide paste and acetazolamida against the Enterococcus faecalis and Candida albicans. Arch Oral Res. 7 (1): 43-9, Jan./Apr., 2011.
  • PROKOPOWITSCH, I.; KLEINE, B. M.; NETTO, C. M.; MOURA, A. A. M. Avaliação da permeabilidade radicular em dentes com rizogenese incompleta após aplicação de hidróxido de cálcio como medicação intracanal. Rev Inst Ciênc Saúde. 2008; 26(1): 87-94. Disponível em: < http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2008/01_jan_mar/V26_N1_2008_p87-94.pdf>. Acesso Junho 2013.
  • REGINATO, G. T.; JARDIM, J. J.; KLEIN, L. C.; FACHIN, E. V. F. Considerações clínicas atuais quanto ao uso da medicação intracanal pós-pulpectomia. Revista da Faculdade de Odontologia. Passo Fundo, v. 9, n. 2, p. 55-59, jul./dez. 2004.
  • ROZATTO, J. R. Revisão de literatura: pastas à base de hidróxido de cálcio usadas como medicação intra canal. Monografia (graduação odontologia). Piracicaba: UNICAMP, 2010.
  • RUBIK, A. Medicação intracanal em dentes com necrose pulpar após o preparo químico-mecânico. Monografia (especialização endodontia). Passo Fundo: UNINGÁ, 2007.
  • RUIZ, P. A.; ANDRADE, A. K. M.; SILVA, C. A. M. Medicação intracanal. Publicado 2002. Disponível em: <http://www.endodontia.org>. Acesso Junho 2013.
  • SATO, I.; ANDO-KURIHAMA, N.; KOTA, K.; IWAKU, M.; HOSHINO, E. Sterilization of infected root-canal dentine by topical application of a mixture of ciprofloxacin, metronidazole and minocycline in situ. Int Endod J. 1996;29(2):118-24.
  • SEMENOFFT, A. D. V.; SEMENOFF-SEGUNDO, A.; BORGES, A. H.; PEDRO, F. M. L.; CAPOROSSI, L. S.; ROSA – JUNIOR, A. Atividade antimicrobiana de 2% de gluconato de clorexidina, hipoclorito de sódio a 1% e paramonoclorofenol combinado com furacin contra S. aureus , C. albicans , E. faecalise e P. aureginosa. Rev. odonto Ciênc. (Online) vol.25 no.2 Porto Alegre 2010.
  • SILVA, F. B.; ALMEIDA, J. M.; SOUSA, S. M. G. Natural medicaments in endodontics – a comparative study of the anti-inflammatory action. Braz Oral Res 2004; 18(2): 174-9. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-83242004000200015>. Acesso Junho 2013.
  • SILVEIRA, C. L. M.; CUNHA, R. S.; MARTIN, A. S.; MOTTA, R. H. L.; REGULIN, K.; BUENO, C. E. S. Avaliação in vitro da atividade antimicrobiana da associação de um corticosteróide à clorexidina gel a 2% contra Staphylococcus aureus, Porphyromonas gingivalis e Enterococcus faecalis. R. Universidade Federal de Alfenas. n. 28. p. 1-20, jan./dez. 2007.
  • SIQUEIRA JÚNIOR, J. F.; UZEDA, M. Intracanal medicaments: evaluation of the antibacterial effects of chlorhexidine, metronidazole, and calcium hydroxide associated with three vehicles. J Endod. 1997;23(3):167-9.
  • SOARES J. A.; SOARES T. R. S.; Ação antisséptica de pastas intracanais à base de hidróxido de cálcio. Odontologia, Ciência e Saúde – Revista do CROMG, v. 9, n. 2, abr./jun. 2003. Disponível em: < http://cro.tech4u.com.br/196/PastasIntra7.pdf>. Acesso Junho 2013.
  • SOUZA, R. A.; DANTAS, J. C. P. Medicação intracanal nos casos de polpa viva – uma nova visão clínica do seu papel. 2002. p. 150-154. Jornal Brasileiro de Endo/Perio. Curitiba, v. 3, n. 9. Disponível em: <http://www.endodontiaclinica.odo.br/media/Medicacao%20intracanal%20nos%20casos%20de%20polpa%20viva%20%20uma%20nova%20visao%20clinica%20do%20seu%20papel.pdf>. Acesso Junho 2013.
  • THOMAS, M. I.; GONÇALVES, T. S.; SOUZA, M. A. L.; SCHMITT V. M. Formaldeído na odontologia: aspectos antimicrobianos, carcinogênicos e mutagênicos. Um estudo da sua viabilidade na clínica odontológica. Revista Odonto Ciência – Fac. Odonto/PUCRS, v. 21, n. 54, out./dez. 2006.
  • VALERA, M. C.; GOMES, A. P. M.; MENEZES, M. M.; CAMARGO, C. H. R.; SILVA, A. S. e; SIMEZO A. P. Avaliação clínica da neutralização do conteúdo séptico/necrótico do canal radicular: técnica imediata X técnica mediata. Cienc Odontol Bras; 6 (3): 26-31 jul./set. 2003. Disponível em: < http://ojs.fosjc.unesp.br/index.php/cob/article/viewFile/600/507>. Acesso Junho 2013. 
  • VALERA, M. C.; MAEKAWA, L.E.; OLIVEIRA, L.D.; CARVALHO, C.A.T.; KOGA-ITO, C.Y.; JORGE, A.O.C. Avaliação da solução de clorexidina 2% e medicamentos sobre Escherichia coli e sua endotoxina em canais radiculares. Braz Dent Sci 2009 jul./set.; 12 (3): 38-43. Disponível em: < http://ojs.fosjc.unesp.br/index.php/cob/article/viewFile/631/535>. Acesso Junho 2013.
jun 272013
 
Computadores

TuneUp demonstra aos gamers as formas mais eficientes para melhorar o desempenho de suas máquinas e tirar o máximo proveito delas durante uma partida. 

Junho de 2013 – TuneUp empresa dedicada à fabricação de software de otimização de PCs, continua revelando neste segundo artigo os resultados obtidos nos testes realizados em seu laboratório, focados no âmbito dos jogos.

TuneUp se coloca à disposição dos gamers, não somente para demonstrar as formas mais eficazes para melhorar o desempenho dos seus computadores, sejam eles laptops de porte baixo ou médio, ultrabooks, tablets ou netbooks antigos, mas também apresenta as melhores recomendações para se alcançar o melhor desempenho do sistema durante uma partida:

 

1.Verificar os Drivers

No artigo anterior, TuneUp compartilhou a importância de se manter os controladores atualizados para se conseguir uma rápida melhoria no desempenho do PC.

Não importa qual seja a placa gráfica, GeForce, ATI / AMD, Intel, o usuário deve sempre verificar as novidades e atualizações do fabricante antes de jogar os games mais recentes do mercado.

2.Desativar Programas

É um fato que o Windows se torna mais lento na medida em que se instalam programas. A atividade em segundo plano que se gera, muitas vezes afeta negativamente a experiência do usuário durante uma partida.

Com TuneUp Program Deactivator este efeito desaparece. Este ajudante inteligente desativa totalmente os programas enquanto estes não estão sendo usados e os ativa novamente quando são realmente necessários. Desta forma, sem tarefas pesadas em segundo plano, o PC funcionará quase como se fosse novo, e os jogos serão executados mais rápido do que nunca.

Na maioria dos PCs dos testes no laboratório, desativar toda esta atividade teve um efeito visível na melhoria do desempenho.

3.Fazer Overclocking do GPU, com cuidado

Os aumentos da velocidade do relógio do processador e do relógio da memória da placa gráfica podem ter um efeito significativo no desempenho do sistema durante a partida. O usuário deve ter em consideração que o overclocking aumenta a pressão e a temperatura principalmente do hardware, e não somente da CPU ou GPU, portanto, se deve ter muito cuidado ao realizar esta tarefa. Também se deve ter em consideração que o overclocking aumenta consumo de energia, o que pode ter um efeito prejudicial na vida útil da bateria.

 

Para fazer overclock da GPU, TuneUp recomenda o uso do GPU Tweak de ASUS. É compatível com uma grande quantidade de chipsets recentes e permite aumentar a velocidade tanto do relógio da GPU como o relógio da memória. Também recomenda testar a utilidade do overclocking de EVGA Precision X para os chipsets móveis, como GeForce GT 650M

Os testes realizados com Unigine Heaven 4, resultaram em um aumento de 14 a 21 FPS depois do overclocking. No entanto, a melhoria no desempenho foi mais modesta.

4.Fazer um upgrade para SSD

Os discos SSD são infinitamente mais rápidos que os discos rígidos mecânicos. As velocidades de leitura e escritura são fenomenais e o desempenho também é melhor que o do disco rígido clássico. Certamente isto não aumenta a velocidade de quadros (frames) do jogo, mas sem dúvida reduz os tempos de carregamento dos jogos e de seus materiais internos, tais como mapas ou novos níveis.

TuneUp testou os discos Samsung 840 de 250 GB e SanDisk Extreme de 480 GB, este último no PC de jogos Alienware X51. A melhoria no desempenho foi impressionante.

 5.Atualizar a placa gráfica

Este passo é recomendado somente para os usuários de PC de sobremesa. TuneUp queria desfrutar de uma experiência gráfica completa mas não queria gastar mais de R$ 870 (300€), assim que optou pelo melhor investimento de acordo com esse orçamento: uma placa GeForce GTX 660 TI (versão de EVGA) com uns resultados super interessantes.

Neste segundo artigo, TuneUp demonstrou as 5 primeiras formas para conseguir uma experiência de jogo com mais fluidez. Caso queira descobrir mais truques de TuneUp Utilities 2013 e seu laboratório de testes não perca os próximos artigos para tirar o máximo proveito dos PCs de jogos ou entre no blog de TuneUp.

***

Sobre TuneUp

TuneUp é líder no fornecimento de ferramentas de softwares inteligentes que permitem aos usuários aumentar o desempenho e a segurança dos seus computadores. Desde 1997 a marca TuneUp tem produzido os melhores produtos de sua categoria e com uma alta qualidade. A fim de manter elevados padrões de qualidade e ser independente de patentes, licenças e fornecedores externos, a empresa desenvolve todas as suas soluções in-house. O estreito contato com os clientes e seus comentários e sugestões, permitem à empresa atualizar o produto continuadamente atendendo às necessidades dos clientes.

TuneUp Utilities está disponível em Português, Inglês, Alemão, Francês, Espanhol, Holandês, Italiano, Polaco, Japonês, Russo, Chinês e Coreano. Os usuários finais podem encontrar mais informações sobre TuneUp Utilities na página web: www.tuneup-software.com.br ou http://www.tuneup.pt/

Software de otimização de PCs com Windows

Preços por licença: R$ 79,00 (versão completa)

Compatível com: Windows XP, Vista e Windows 7

Produzido por: TuneUp Software GmbH

 

TuneUp Software GmbH

64293 Darmstadt, Alemanha

press@tune-up.com

Twitter: @TuneUp4Windows

Blog: http://blog.tune-up.com/

Facebook: www.facebook.com/TuneUp.Utilities.Portugues

 

Mais informações:

www.tuneup-software.com.br

http://www.tuneup.pt/

 

Advance Digital PR

Ana Paula Viterbo

anapaula.viterbo@advancedigitalpr.com

Tel.: (011) 3958-4407